15 de janeiro de 2017

Mário Soares, “um literato frustrado que caiu na política”



Esteve preso 13 vezes. Foi aluno de Marcello Caetano e de Álvaro Cunhal. Apresentou Mário Cesariny a François Mitterrand – “mon ami Mitterrand”. Incompatibilizou-se com Ramalho Eanes e com Salgado Zenha. Trouxe o FMI duas vezes a Portugal e foi presidente da República outras duas, numa democracia que ajudou a construir.

“O que é preciso é que a gente viva com dignidade e deixe uma memória simpática do que fez”, afirmou Mário Soares numa entrevista ao DN, em 2004, tinha então 80 anos. Quando era miúdo, o pai dizia-lhe que tinha jeito para duas coisas: falar e escrever. Podia ter sido escritor ou jornalista. Foi primeiro-ministro três vezes, presidente da República dez anos. Não se considerava melhor do que os outros, mas sempre soube jogar. O resto, acredita, foram coincidências do destino, acasos da história: estava no lugar certo à hora certa.

Por causa de Salazar continuamos a pensar Portugal com o país da "boa dona de casa" e do "navegador-guerreiro"



Trinta anos depois de estudar os discursos de Salazar, que traduzem o desejo de uma nação de figura maternal a sonhar por um império, as conclusões do investigador Moisés de Lemos Martins mostram um imaginário que permanece atual.

Por se manter atual, a editora Afrontamento publicou a 2.ª edição do livro “O Olho de Deus no Discurso Salazarista”, que reproduz a tese de doutoramento defendida por Moisés de Lemos Martins na Universidade de Ciências Humanas de Estrasburgo, em 1984.

O que o agora professor catedrático da Universidade do Minho fez foi estudar os discursos de Salazar, para tentar compreender a questão: por que razão o regime salazarista durou tanto tempo?

Monumentos: Salazar deixou um legado ideológico que ainda marca a identidade nacional, diz investigador



Uma tese de doutoramento da Universidade de Coimbra, que analisa a reconstrução dos monumentos nacionais durante o Estado Novo, conclui que Salazar deixou um legado, ainda hoje vivo, de símbolos que materializam a imagem salazarista do país.

Durante o Estado Novo, foi aplicado um plano de investimento para a reconstrução de monumentos que durou até aos anos 1960, e que procurou "recuperar" a ideia de "um passado perdido, de um passado heróico", com as estruturas medievais e manuelinas a serem pensadas "como o grande bem da nação", disse à agência Lusa o autor da tese e docente do Departamento de Arquitetura (Darq) da Universidade de Coimbra (UC), Luís Correia.

Mário Soares, Angola e o tráfico de diamantes (Adão Cruz)



Mário Soares visto pelo jornalista António Marinho (actual Bastonário da Ordem dos Advogados, António Marinho e Pinto), no «Diário do Centro» de 15 de Março de 2000


MÁRIO SOARES E ANGOLA

A polémica em torno das acusações das autoridades angolanas segundo as quais Mário Soares e seu filho João Soares seriam dos principais beneficiários do tráfico de diamantes e de marfim levados a cabo pela UNITA de Jonas Savimbi, tem sido conduzida na base de mistificações grosseiras sobre o comportamento daquelas figuras políticas nos últimos anos.

Fim da longa guerra e descolonização (Fernando Madail)



Acordos. Treze anos após Salazar ter ordenado "para Angola, rapidamente e em força", a paz chegava às três frentes de batalha. Mário Soares não pensou nas independências de Cabo Verde, São Tomé, Timor. E distinguiu o acolhimento dado a 800 mil retornados e aos pieds noirs franceses

"O senhor é que não me dá lições de patriotismo a mim!", gritava Mário Soares a Spínola na véspera da reunião com os dirigentes do PAIGC, em Argel, a 15 de junho de 1974, como revelou Almeida Santos (Quase Memórias, 2.º vol.). Naquela fase, as teses sobre o futuro das colónias ainda provocava choques entre as várias fações que se digladiavam após a Revolução do 25 de Abril. O então ministro dos Negócios Estrangeiros tentava conseguir a paz e a autodeterminação com os movimentos de libertação, mas as declarações de Spínola e dos que pretendiam um processo mais lento ou o caminho do federalismo chocavam com a realidade: a extrema-esquerda tinha lançado a palavra de ordem "nem mais um soldado para as colónias" e, nos teatros de guerra, os militares portugueses já confraternizavam com aqueles que, antes, eram os "turras".

EUA: Salazar rejeitou mil milhões de dólares em troca da independência das colónias



Proposta feita pela CIA tornada pública em livro

EUA: Salazar rejeitou mil milhões de dólares em troca da independência das colónias

António Oliveira Salazar rejeitou uma proposta dos Estados Unidos para a independência das ex-colónias portuguesas a troco de mil milhões de dólares (782 milhões de euros), porque "Portugal não estava à venda", revela um ex-responsável norte-americano no seu livro
"Engaging Africa: Washington and the Fall of Portugal's Colonial Empire".

Segundo o secretário de Estado adjunto para os Assuntos Africanos durante a administração Clinton, Witney Schneider, o ex-presidente do Conselho rejeitou a proposta americana em 1963, durante um encontro com um enviado da Casa Branca.