26 de abril de 2017

SELO: Não há boa higiene nas escolas Francisco Manyanga e Josina Machel em Maputo - Por Rabim Chiria



A organização Mundial de saúde (OMS) define a saúde como sendo um estado de bem-estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e de enfermidade. Neste contexto, as enfermidades são entendidas como uma violência à saúde, e a higiene é uma das armas para Combatê-la. Ora, as condições de higiene e saneamento nas escolas são relevantes para garantir a saúde mental e física dos alunos, dos professores e de outros funcionários.

Porém, não é o que eu vejo nos estabelecimentos de ensino, particularmente públicos, tais como a Escola Secundária Francisco Manyanga e a Escola Secundária Josina Machel.

Aliás, o edifício da Escola Secundária Francisco Manyanga é espectacular por fora, mas por dentro é como se fosse uma pêra grudada na pereira, que só se nota no dia da queda.

30 de março de 2017

SELO: Moçambique dos meus sonhos - Por Júlio Khosa



Moçambique é um Estado independente, soberano, democrático e de justiça social. Assim diz a nossa Constituição. Para o seu funcionamento, no contexto democrático, tal como defende a Constituição, o “Estado subordina-se à Constituição e funda-se na legalidade” e, “o povo moçambicano exerce a soberania segundo as formas fixadas na Constituição”. Portanto essa mesma soberania reside no povo. Para que isso aconteça, a República de Moçambique através da sua Constituição assume-se como “um Estado de Direito, baseado no pluralismo de expressão, na organização política democrática, no respeito e garantia dos direitos e liberdades fundamentais do Homem”. Até aqui tudo bem. Este é o tipo de Estado que almejo ter. Será que isso na prática acontece? Questionam-se essas afirmações.

O Moçambique dos meus sonhos é aquele que, de facto, a soberania reside no povo e que o povo encontra-se em pleno gozo dos seus direitos fundamentais (direitos e deveres, é óbvio); onde o povo manda, decide o que quer e o que não quer que seja; onde o povo tem voz activa e tem direito a reivindicação dos seus direitos (direito a manifestação e/ou greve); onde quando o povo elege (voto) é dado o que na verdade escolheu.

27 de março de 2017

País de alarves (Francisco Moita Flores)



Para combater a violência doméstica, o poder dá uns trocos, por caridade.

Em dois dias, cinco cidadãos, a maioria mulheres, foram assassinados, em contexto de violência doméstica, às mãos de alarves. É nossa a gente que morre.

Infelizmente, também é nossa a gente que mata. Somos isto. Um país culturalmente subnutrido. Analfabeto no que respeita  a competências de cidadania.

Somos o país onde a violência doméstica é praga e quando dela se fala, apetece zurzir polícias indiferentes, procuradores negligentes e juízes de grande tolerância.Porém, é fácil disparar contra a Justiça. É quem está mais à mão. É o reduto do poder por onde passa aquilo que está criminalmente consumado.

Mas o País é bem mais do que um sistema judiciário. É a história de um Ministério da Educação, multiplicador de reformas, incapaz, incompetente, medíocre, governo após governo, que se preocupa com a Matemática, com o Inglês, mas que é indiferente à educação e formação de boas pessoas. É um Ministério da Saúde vaidoso, arrogante e medíocre que, governo após governo, desprezou a saúde mental, que encolhe os ombros aos apelos de psiquiatras e psicólogos que denunciam um País sem apoios para controlar psicopatas. É um Ministério da Segurança Social antissocial, que governo após governo, trata a protecção de menores, a monitorização de famílias em risco através de burocratas. É este país, infestado por todos estes alarves, que assiste, dia após dia, à chacina de inocentes. Morreram em Portugal mais vítimas de violência doméstica nos últimos dez anos do que vítimas de terrorismo em toda a Europa. Se para os ideólogos do securitários, o poder está de perna aberta, para a violência doméstica, o poder dá uns trocos por caridade. É este poder assustado e alarve quem está no banco dos réus de tantas mortes. 

Por indiferença, por omissão, por ser herdeiro legítimo de Pôncio Pilatos. Quantas vítimas serão necessárias para que despertemos deste longo pesadelo?


Correio  da Manhã. 26 de Março de 2017

12 de março de 2017

A história da tropa secreta das terras do fim do Mundo (Leonor Ralha)


Livro explica como surgiam os Flechas, criados pela PIDE para causar pavor a quem lutava pela independência de Angola

Ninguém dava nada por eles quando se apresentaram ao serviço, pequenos, magros e com armas arcaicas, mas os oito bosquímanos recrutados há 50 anos por Óscar Cardoso, inspetor da PIDE-DGS colocado na cidade angolana de Serpa Pinto (atual Menongue), deram origem ao grupo paramilitar mais temido por MPLA, UNITA e FNLA. Remetida ao esquecimento durante décadas, a sua história é agora contada em ‘Os Flechas – A Tropa Secreta da PIDE-DGS na Guerra de Angola’ (Casa das Letras), livro de Fernando Cavaleiro Ângelo, de 47 anos, chefe da Divisão de Informações do Comando Naval e diretor do Centro de Análise e Gestão de Dados Operacionais da Marinha.

China: Réplicas dos Principais Monumentos Mundiais

 Um centro comercial em Chongqing é uma réplica da pirâmide do Museu do Louvre

@Verdade Editorial: A mesquinhez do Governo moçambicano



Um dos problemas que afecta o Governo moçambicano é a mania de atribuir as suas falhas aos outros. Os governantes moçambicanos são verdadeiros especialistas em apontar os culpados, e nunca em procurar solução. Procuram sempre bodes expiatórios para responsabilizar pelos seus erros, fracassos e até mesmo a pobreza do país. Culpam o colonialismo, a guerra, o capitalismo, a globalização, o continente, o país, a falta de recursos, a cor da pele, o vizinho, o Ocidente e até aquele avô que morreu há milhares de anos por tudo e por nada. Os argumentos do Governo, na verdade, são sempre os mesmos: A origem dos problemas está sempre nos outros, nunca neles.

A Portugueza


Traição em Angola pelo General Silva Cardoso



«Killoran, o Cônsul norte-americano, tinha-me deixado um alerta. Também por essa altura, exactamente a 14 de Abril, este diplomata fizera uma visita ao Zé Valente que registou na sua agenda da qual nunca se separava: “Manhã cedo – 0700 – sem se anunciar previamente na 2.ª RA, onde já me encontrava o Cônsul-Geral norte-americano em Luanda. Veio dizer-me que os norte-americanos tinham deixado cair Angola ao terem considerado inevitável a sua transferência para a zona de influência russa. Disse que Angola iria ser um país comunista. Ingenuamente disse-lhe que isso não iria acontecer, até por atavismo dos povos….» (p. 591)

11 de fevereiro de 2017

A Guerra de África Não Estava Perdida



Foi lançado, este ano, o novo livro de Brandão Ferreira e Humberto Nuno de Oliveira, ambos colaboradores de O DIABO, com prefácio de Jaime Nogueira Pinto, que lança a questão: “Estava a Guerra de África perdida?” Uma análise do conflito complementada com entrevistas a dezenas de personalidades. O debate está lançado e a conclusão não agrada aos abrilistas que entregaram o Império.

O lançamento teve lugar no Salão Nobre da Sociedade História da Independência de Portugal, no Largo de São Domingos, em Lisboa e foi apresentado por Alexandre Lafayette, advogado e ex-combatente do Ultramar (Reportagem da apresentação)

35 Anos de Abril: "A guerra colonial transformou homens em farrapos humanos"



Com o fim do Estado Novo, inicia-se o processo de conclusão da Guerra Colonial. O JPN foi perceber como vivem hoje os ex-combatentes do Ultramar.

A 25 de Abril de 1974, militares do Movimento das Forças Armadas (MFA) derrubam um regime ditatorial que se prolongara por quarenta e oito anos. Mas não foi só para Portugal que a “Revolução de Abril” trouxe mudanças.

Desde 1961, ano em que se registaram os primeiros movimentos independentistas face ao domínio português, as províncias ultramarinas de Portugal são palco de confrontos entre as guerrilhas e soldados. “Abril de 1974” marca o “início do fim” da Guerra Colonial e dá lugar aos processos de independência dos territórios africanos.

Algumas verdades sobre a traição em Angola



«Mas se algumas dúvidas ainda hoje subsistissem quanto às conclusões sobre os acontecimentos de Angola a que na altura cheguei, considerando os dois “jogadores” responsáveis pela violência naquela terra, basta relembrar Iko Carreira, ex-Alferes da Força Aérea Portuguesa e elementos de grande influência dentro do MPLA onde militou após a sua deserção, escreveu no seu livro de 1996, O Pensamento Estratégico de Agostinho Neto, afirmando na pág. 70: “Infelizmente, a luta de libertação do povo angolano era, quando Neto chegou a Leopoldville, um objecto da Guerra Fria. O MPLA e a FNLA tinham-se transformado, talvez mesmo sem o saber, em organizações cuja actividade era controlada por cada uma das outras grandes potências militares da época. Das quais também se tornaram dependentes do ponto de vista material, servindo a respectiva propaganda. A FNLA estava ligada aos norte-americanos, enquanto o MPLA estava ligado à União Soviética.”» (p. 182)

Marcello Caetano visto por Alfredo Pimenta



“O Governo não é forte. Só o é, enquanto V. Ex.ª estiver à frente dele. Faça V. Ex.ª a experiência. Afaste-se, e ponha na Presidência o Sr. Marcelo Caetano que, pelo visto, se sente com asas para voar. Ele voará, - mas nós vamos todos para o fundo. A estabilidade da chefatura do Estado não está garantida. Tudo o que se tem feito é artificial. Entende V. Ex.ª que Portugal encontrou «uma linha conveniente de pensamento e acção política assente em segura experiência». Ilusão que pode ser-nos fatal. O que é a experiência de vinte anos diante da experiência de oito séculos? Esta experiência de oito séculos obriga os governantes da estatura de V. Ex.ª a procurar a solução do nosso problema nas directrizes tradicionais da Nação.” (p. 267)

15 de janeiro de 2017

Mário Soares, “um literato frustrado que caiu na política”



Esteve preso 13 vezes. Foi aluno de Marcello Caetano e de Álvaro Cunhal. Apresentou Mário Cesariny a François Mitterrand – “mon ami Mitterrand”. Incompatibilizou-se com Ramalho Eanes e com Salgado Zenha. Trouxe o FMI duas vezes a Portugal e foi presidente da República outras duas, numa democracia que ajudou a construir.

“O que é preciso é que a gente viva com dignidade e deixe uma memória simpática do que fez”, afirmou Mário Soares numa entrevista ao DN, em 2004, tinha então 80 anos. Quando era miúdo, o pai dizia-lhe que tinha jeito para duas coisas: falar e escrever. Podia ter sido escritor ou jornalista. Foi primeiro-ministro três vezes, presidente da República dez anos. Não se considerava melhor do que os outros, mas sempre soube jogar. O resto, acredita, foram coincidências do destino, acasos da história: estava no lugar certo à hora certa.

Por causa de Salazar continuamos a pensar Portugal com o país da "boa dona de casa" e do "navegador-guerreiro"



Trinta anos depois de estudar os discursos de Salazar, que traduzem o desejo de uma nação de figura maternal a sonhar por um império, as conclusões do investigador Moisés de Lemos Martins mostram um imaginário que permanece atual.

Por se manter atual, a editora Afrontamento publicou a 2.ª edição do livro “O Olho de Deus no Discurso Salazarista”, que reproduz a tese de doutoramento defendida por Moisés de Lemos Martins na Universidade de Ciências Humanas de Estrasburgo, em 1984.

O que o agora professor catedrático da Universidade do Minho fez foi estudar os discursos de Salazar, para tentar compreender a questão: por que razão o regime salazarista durou tanto tempo?

Monumentos: Salazar deixou um legado ideológico que ainda marca a identidade nacional, diz investigador



Uma tese de doutoramento da Universidade de Coimbra, que analisa a reconstrução dos monumentos nacionais durante o Estado Novo, conclui que Salazar deixou um legado, ainda hoje vivo, de símbolos que materializam a imagem salazarista do país.

Durante o Estado Novo, foi aplicado um plano de investimento para a reconstrução de monumentos que durou até aos anos 1960, e que procurou "recuperar" a ideia de "um passado perdido, de um passado heróico", com as estruturas medievais e manuelinas a serem pensadas "como o grande bem da nação", disse à agência Lusa o autor da tese e docente do Departamento de Arquitetura (Darq) da Universidade de Coimbra (UC), Luís Correia.

Mário Soares, Angola e o tráfico de diamantes (Adão Cruz)



Mário Soares visto pelo jornalista António Marinho (actual Bastonário da Ordem dos Advogados, António Marinho e Pinto), no «Diário do Centro» de 15 de Março de 2000


MÁRIO SOARES E ANGOLA

A polémica em torno das acusações das autoridades angolanas segundo as quais Mário Soares e seu filho João Soares seriam dos principais beneficiários do tráfico de diamantes e de marfim levados a cabo pela UNITA de Jonas Savimbi, tem sido conduzida na base de mistificações grosseiras sobre o comportamento daquelas figuras políticas nos últimos anos.

Fim da longa guerra e descolonização (Fernando Madail)



Acordos. Treze anos após Salazar ter ordenado "para Angola, rapidamente e em força", a paz chegava às três frentes de batalha. Mário Soares não pensou nas independências de Cabo Verde, São Tomé, Timor. E distinguiu o acolhimento dado a 800 mil retornados e aos pieds noirs franceses

"O senhor é que não me dá lições de patriotismo a mim!", gritava Mário Soares a Spínola na véspera da reunião com os dirigentes do PAIGC, em Argel, a 15 de junho de 1974, como revelou Almeida Santos (Quase Memórias, 2.º vol.). Naquela fase, as teses sobre o futuro das colónias ainda provocava choques entre as várias fações que se digladiavam após a Revolução do 25 de Abril. O então ministro dos Negócios Estrangeiros tentava conseguir a paz e a autodeterminação com os movimentos de libertação, mas as declarações de Spínola e dos que pretendiam um processo mais lento ou o caminho do federalismo chocavam com a realidade: a extrema-esquerda tinha lançado a palavra de ordem "nem mais um soldado para as colónias" e, nos teatros de guerra, os militares portugueses já confraternizavam com aqueles que, antes, eram os "turras".

EUA: Salazar rejeitou mil milhões de dólares em troca da independência das colónias



Proposta feita pela CIA tornada pública em livro

EUA: Salazar rejeitou mil milhões de dólares em troca da independência das colónias

António Oliveira Salazar rejeitou uma proposta dos Estados Unidos para a independência das ex-colónias portuguesas a troco de mil milhões de dólares (782 milhões de euros), porque "Portugal não estava à venda", revela um ex-responsável norte-americano no seu livro
"Engaging Africa: Washington and the Fall of Portugal's Colonial Empire".

Segundo o secretário de Estado adjunto para os Assuntos Africanos durante a administração Clinton, Witney Schneider, o ex-presidente do Conselho rejeitou a proposta americana em 1963, durante um encontro com um enviado da Casa Branca.