23 de janeiro de 2016

Moçambique: Imagens Antigas da Cidade de Lourenço Marques




Moçambique: Tribunal



O lançamento da primeira pedra para este edifício, dentro do estilo classicizante, ocorreu a 4 de Agosto de 1907, na presença do Príncipe Real Dom Luís Filipe. Ficou concluído em 31 de Maio de 1911, localizando-se no que era a zona central da cidade.
 
 
Fonte: Arquivo Pessoal

Moçambique: Mercado Gorjão



Foi inaugurado em Dezembro de 1899, substituindo uma outra construção, tendo recebido o nome de “Mercado Gorjão”. Em Dezembro de 1964 viria a sofrer profundas modificações, tendo-lhe sido então acrescentado um primeiro andar.
 
Fonte: Arquivo Pessoal

Portugal: Castelo de São Jorge (Lisboa)

Graffiti nas Ruas de Lisboa

Lisboa: Drogaria e Perfumaria Oriental

Lisboa: Parque das Nações

6 de janeiro de 2016

Moçambique: As Marchas Populares de Lourenço Marques

 
 
 
MARCHA DA MALHANGALENE
 
(1º prémio)
 
(Cantada por Julieta Palhares)
 
 
1ª Estrofe
 
Malhangalene bonita
De graça humilde e modesta
Com teu vestido de chita
Também hás-de entrar na festa.
Se querem saber quem és,
Podes dizer sem vaidade
Que és o bairro mais bairrista
Que és o bairro mais bairrista
Que existe cá na cidade.
 
Refrão
 
Esta marcha vai
Na rua a passar
Na Malhangalene
Toda a gente sai
P’r’à ouvir cantar
Vamos, rapariga,
Que a tua cantiga
É que vai ganhar.
Toda a gente a canta
E a todos encanta
Porque é popular.
 
2ª Estrofe
 
Tanto na rua de baixo
Como na rua de cima
Toda a gente se conhece
E toda a gente se estima
E se alguém te quiser mal
Não tens nada que temer
Tens cá a Rua da Guarda
Tens cá a Rua da Guarda
Que te há-de defender.
 
Refrão
 
Esta marcha vai...

Moçambique: Presidente da República Samora Moisés Machel


 
 
Fonte: Internet

Moçambique: Um País de Sorrisos


 
 
Texto do cartaz: "Terra de boa gente" teriam dito os navegadores que, das praias lusitanas, primeiro aportaram na baía de Inhambane. São quase 2.500 kms de costas douradas pelas areias, emolduradas no verde dos palmares e dos mangais, espelhando-se num mar de coral riscado pelas velas triangulares da faina costeira. A cultura africana, árabe, indiana e a europeia casaram-se aqui num ramalhete de costumes, arquitectura e nas artes de fazer e adornar. A ilha que deu nome, Moçambique, exibe na sua arquitectura impar, classificada pela UNESCO como património da humanidade, esta mescla de culturas e civilizações. Quem fala de Moçambique não pode deixar de sonhar com as praias de Cabo Delgado, além, em Mocímboa da Praia e nas da Baía de Pemba, com as praias de Nampula onde Fernão Veloso, o "Veloso amigo" de Camões, desceu mais depressa que subiu. Os suaves climas do planalto da Zambéxia, a cidade airosa de Quelimane, a pesca nas águas doces do Lago Niassa e na gigantesca albufeira da Cahora Bassa são percursos de tranquilidade e de saudade. Reaberta recentemente e em repovoamento, a reserva de Gorongosa e várias reservas de exploração privada em Manica, Sofala e Tete, oferecem desde já o encontro com a África da fauna selvagem sem os inconvenientes de um turismo de massas. Lista de informações úteis: obtenção de visto de entrada, embaixadas moçambicanas, outros consulados e altos comissariados, telefones, transportes, aluguer de carros, companhias aéreas, moeda, horário habitual de trabalho, bancos, correios, agências de viagens, hotéis, restaurante e diversões, serviços de urgência, telefones úteis em Maputo, telefones úteis em Nampula e na Beira, instituições oficiais de turismo. Moçambique, o espraiar do Índico nesta costa de África, onde o clima é mais suave, os sons mais belos, os sorrisos mais cativantes.
 
Fonte: Internet