30 de setembro de 2009

Holanda: Pequenino e redondinho

Pequenino e redondinho Um hipopótamo pigmeu, recém-nascido, dá um passeio matinal pelo Zoo Blijdorp em Roterdão, na Holanda. Foto@Lusa/Ed Oudenaarden

Moçambique: Bonga em Maputo, 26 de Setembro de 2009









"Moçambique na Europa": Eleições 2009 Círculo Eleitoral da Europa (Portugal-Alemanha)

Havana de branco pela paz

Havana de branco pela paz Mais de 500.000 cubanos reuniram-se na Praça da Revolução em Havana para assistir ao "Concerto pela Paz" do cantor colombiano Juanes, que provocou a ira dos anticastristas exilados nos Estados Unidos. Foto@EPA

Chove em Moscovo

Chove em Moscovo Uma criança olha através da janela molhada pela chuva, num automóvel em Moscovo. Foto@Epa/Yuri Kochetkov

portugal: Eleições autárquicas, Santana vai à caça

Lisboa: Angola 34 anos de progresso, no Casino de Lisboa, 10 de Outubro 2009

Angola 34 anos de progresso A Associação de Estudantes Angolanos em Portugal, em colaboração com "Angola África Fashion" estão a organizar uma gala de premiação, denominada "Angola 34 anos rumo ao Progresso", a realiza-se no dia 10 de Outubro próximo, no Casino de Lisboa, Portugal, com o objectivo de homenagear personalidades da sociedade civil angolana nas diversas áreas.
Sapo AO, 30 de Setembro de 2009

27 de setembro de 2009

Centro Darwin: um casulo gigante em homenagem à vida


Centro Darwin: um casulo gigante em homenagem à vida Milionia paradisea. Esta borboleta diurna colorida encontra-se geralmente na Papua Nova Guiné. É a nova atracção dos museus de Londres: o Centro Darwin, no Museu de História Natural de Londres, é uma estrutura em forma de casulo, com oito andares, que pretende dar a conhecer toda a riqueza da colecção do museu e o trabalho científico que nele tem lugar. São cerca de 20 milhões de espécimes de plantas e insectos e o trabalho de mais de 200 cientistas que estão agora abertos à visita e participação do público. O centro foi batizado em homenagem a Charles Darwin, de que se comemora este ano um duplo aniversário (200 anos do nascimento e 150 da publicação de A Origem das Espécies). As colecções de animais e plantas, parcialmente acessíveis, podem ser vistas em mesas de luz, em frascos com alcóol, em imagens microscópicas, ou através de projecções ampliadas nas paredes, com explicações de guias também projectadas. Os visitantes podem ainda acompanhar em directo o trabalho dos investigadores, já que o laboratório de análise de DNA, que presentemente se ocupa da investigação de mosquitos, tem janelas de vidro. Finalmente, os visitantes podem, eles mesmos, participar numa expedição virtual, simulando, numa mesa de trabalho, todos os preparativos para uma viagem de descoberta científica. Entre os espécimes exibidos encontra-se a primeira planta de cacau trazida da América para a Europa, no século XVII; uma lula gigande de 8,62 m, capturada em 2004; e vários espécimes recolhidos pelo próprio Darwin, de escaravelhos a polvos e lagartos. Imagens, vídeos e informações práticas para quem queira visitar o centro podem ser vistas no site do Centro Darwin. Saber mais: Darwin e A Origem das Espécies: duplo aniversário Fotogaleria: Exposição "A Evolução de Darwin" 23 de Setembro de 2009

Portugal: Vindima no Dão

Vindima no Dão Um vinho de "altíssima qualidade" deverá sair este ano dos 20 mil hectares de vinha da região demarcada do Dão, que tem ainda como grande aposta a conquista do mercado interno. Foto@Lusa/Nuno André Ferreira

Vietname: Lagarto no Parque Nacional da Ilha Cat Ba

Lagarto vietnamita Um lagarto leopardo Cat Ba (Goniurosaurus catbaensis), que se encontra exclusivamente no Parque Nacional da Ilha Cat Ba, no norte do Vietname . É uma das 163 espécies encontradas na região do rio Grande Mekong em 2008, agora em risco de extinção devido às alterações climáticas. Foto@EPA/WWF/Thomas Ziegler

Filipinas: Os caixões suspensos

Os caixões suspensos Os caixões suspensos são ritos funerários antigos, praticados na China, Indonésia e Filipinas. Nas Filipinas, são usados por tribos do norte do país, onde é costume os anciãos escavarem troncos até os transformarem em caixões. O ritual envolve forçar os corpos dos mortos para dentro do caixão, partindo os ossos do cadáver no processo. Depois, o caixão é levado para a escarpa e pendurado para que o falecido encontre os seus antepassados. O ritual é praticado há mais de 2000 anos. Foto@EPA/Alanah M. Torralba

24 de setembro de 2009

Moçambique: Três artistas repartem prémio da “bienal” da TDM


Três artistas repartem prémio da “bienal” da TDM Os artistas plásticos Domingos William Comiche, Faizal Omar Ussumane e Titos Moisés Pelembe são os grandes vencedores da 10ª Bienal de Artes Plásticas das Telecomunicações de Moçambique (TDM), cuja cerimónia de premiacao teve lugar na passada terça-feira no Museu Nacional de Arte, em Maputo. Foi a primeira vez que a distinção foi feita, independentemente das modalidades em que os artistas participaram, por forma a “acabar com a discriminação ou hierarquização das categorias participantes”, segundo referiu o presidente do Conselho de Administração da TDM, Joaquim de Carvalho. Os prémios dos vencedores desta 10ª mostra de Artes Plásticas, que se realizou sob o lema "Espaços de Hoje: Desafios e Limites" que variam entre 150 mil meticais para o 1º lugar, 100 mil meticais para o 2º lugar e 50 mil para o 3º lugar - foram entregues numa cerimónia que marcou a abertura da exposição constituída por 77 obras seleccionadas de 49 artistas participantes. Maputo, Quinta-Feira, 24 de Setembro de 2009:: Notícias

Cuba: Havana de branco pela paz

Havana de branco pela paz Mais de 500.000 cubanos reuniram-se na Praça da Revolução em Havana para assistir ao "Concerto pela Paz" do cantor colombiano Juanes, que provocou a ira dos anticastristas exilados nos Estados Unidos. Foto@EPA

Índia: Perdido sem saber o que fazer

Perdido Indianos muçulmanos rezam para celebrar o Eid al-Fitr em Eid Gah, a noroeste da Índia na cidade de Jammu. No meio dos crentes, uma criança que parece perdida, sem saber o que fazer. Muçulmanos de todo o mundo começaram celebrar o Eid al-Fitr que marca o fim do Ramadão. Foto@EPA/Jaipal Singh

Austrália: Tempestade de areia

Tempestade de areia A tempestade de areia esconde a ponte em Sydney. A areia que cobriu a cidade foi trazida das terras secas do oeste da Austrália por ventos fortes. Foto@EPA/Jenny Evans

Londres: Artista indiano Anish Kapoor posa diante da sua obra "Yellow"

Amarelo O artista indiano Anish Kapoor posa diante da sua obra "Yellow", de 1999, patente numa exposição de trabalhos seus, novos ou desconhecidos, na Royal Academy of Arts, em Londres. Kapoor recebeu o Prémio Turner em 1991. Foto@EPA/Andy Rain

20 de setembro de 2009

Comemora-se no dia 21 de Setembro, o Dia Internacional da Paz

Comemora-se segunda-feira o Dia Internacional da Paz ONU pede que Mundo observe um minuto de silêncio em nome da Paz Luanda - Em 1981 a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) fixou uma data permanente para a celebração de um Dia Internacional da Paz: o dia 21 de Setembro. A Assembleia Geral proclamou o Dia como uma data de cessar-fogo e de não violência em todo o mundo. Desde então a ONU tem celebrado este dia, cuja finalidade não é apenas que as pessoas pensem na paz, mas sim que façam também algo a favor da paz. Segundo a ONU, a data deve constituir-se como um tempo propício para concentrar os esforços das Nações Unidas, dos seus países membros e de toda a humanidade, a fim de promover os ideais da paz e para manifestar, com clara evidência, o seu compromisso com a paz, de todas as formas. A ONU incentiva que o Dia pela Paz Mundial seja celebrado também espiritualmente e que os vários grupos religiosos rezem pela Paz Mundial. Por isso, faz questão que em todas as comunidades se façam orações e se renove o compromisso com a justiça e a paz. De acordo com uma mensagem da ONU, por ocasião da data, “a paz é uma realidade quotidiana. As ruas são seguras e as crianças vão à escola. Quando o tecido social é sólido, os preciosos dons da paz quase passam despercebidos”. “Mas, para um número demasiado elevado de pessoas, no mundo de hoje, esses dons não passam de um sonho irrealizável. Vivem prisioneiras da insegurança e do medo. Estes são as principais razões da existência deste Dia”, lê-se na mensagem. Segundo ainda o documento, neste dia, tal como nos outros 364 dias do ano, a violência continua a ceifar vidas inocentes. A Organização das Nações Unidas trabalha em prol da paz de muitas maneiras. Está a fazer tudo o que está ao seu alcance para impedir que continue a haver derramamento de sangue. De fato, actualmente, há menos guerras do que nas décadas passadas, embora o seu número continue a ser demasiado elevado. Cada vítima de um conflito representa um fracasso que relembra que há ainda muito a fazer. Neste dia, a ONU pede a todos, em todo o mundo, que observem um minuto de silêncio em nome da paz. Em Angola, particularmente, a Paz é comemorada no dia a 4 de Abril, data em que foi assinado o Memorando de Entendimento Complementar ao Protocolo de Lusaka, marcando o fim de um longo período de guerra. Neste dia, em 2002, a Nação angolana presenciou com entusiasmo e esperança, no Palácio dos Congressos, em Luanda, o abraço solidário entre irmãos desavindos e o rubricar de documentos que puseram fim a 30 anos de guerra. A cerimónia foi assistida pelo Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, e por representantes da comunidade nacional e internacional. A partir da assinatura, o 4 de Abril foi instituído como feriado nacional e passou a ser, entre os angolanos, uma referência histórica importante na luta do povo, por marcar uma viragem decisiva no processo político e no de desenvolvimento de Angola. Por: Paulino Neto Angola Press, 20 de Setembro de 2009

Moçambique: Índico lança “Palavras em Asas”, álbum com textos de Mia Couto

Índico lança “Palavras em Asas”: álbum com textos de Mia Couto A África Imagens Moçambique, que produz a revista Índico pertencente à LAM (Linhas Aéreas de Moçambique), lançou esta quinta-feira, no Indy Village, em Maputo, um álbum intitulado “Palavras em Asas”, com textos de Mia Couto e fotos de Artur Ferreira, editor executivo daquela revista de bordo. A publicação deste álbum surge para assinalar a edição número 50 da Série II da Índico. Mia Couto, o mais antigo dos colaboradores da revista e o mais premiado e lido dos escritores moçambicanos, tinha de fazer perdurar as suas crónicas, estórias e outros textos, que ao longo destes anos 12 anos foram consumidos pelos passageiros da LAM”, lê-se na lapela da publicação.
Os textos percorrem praticamente todo o território nacional, englobando também uma vertente de preservação ambiental muito caro ao biólogo, profissão que Mia Couto sempre abraçou. Cristóvão Araújo Sapo MZ, 20 de Setembro de 2009

19 de setembro de 2009

Portugal: Alice da Rosa procura mãe que ficou em Cabo Verde


Alice da Rosa procura mãe que ficou em Cabo Verde Alice da Rosa, cabo-verdiana há viver em Portugal a mais de 30 anos, procura a mãe que ficou em Cabo Verde. Em conversa telefónica com o portal SAPO CV, Alice afirma que sente uma enorme vontade de voltar a reencontrar a mãe. Alice conta que foi entregue aos avós paternos pela mãe aos 8 meses de vida. Criada em Portugal pelos avós, só voltou a ver a sua mãe, Maria da Lurdes José da Rosa, aos 19 anos de idade e, desde então, nunca mais soube do paradeiro da mesma. "A minha mãe chama-se Maria de Lurdes José da Rosa e é ex-funcionária dos TACV, já reformada e vive localidade de Paiol, Cidade da Praia, ilha de Santiago. Tenho um irmão que também trabalha nos TACV, Amadeu da Rosa, e a minha sobrinha chama-se Deusa Sulamith”. “A minha filha quer muito conhecer a avó. E eu também sinto esta necessidade porque nunca tive uma mãe, e tenho imensas perguntas que gostaria de fazer” diz Alice. Alice da Rosa pede a quem souber de mais informações sobre o paradeiro de Maria da Lurdes José da Rosa, sua mãe, ou dos outros familiares, que entre em contacto com ela, através do telemóvel 963432149 ou através do e-mail ali-rosa7@live.com.pt . Sapo CV, 17 de Setembro de 2009

Angola: Os "KLB" vão actuar Domingo, no Restaurante Miami Beach em Luanda

KLB Ao Vivo no Miami Beach Os três irmãos “mais queridos” do Brasil, os KLB vão actuar neste Domingo, dia 20 do mês corrente, no Restaurante Miami Beach, em Luanda. Curiosidade sobre o grupo Em 1990, os irmãos Kiko, Leandro e Bruno, numa brincadeira decidiram montar uma banda. O grupo recebeu em 1998 uma canção composta especialmente para eles chamada "Uma noite de amor". O trabalho da Banda foi apresentado pelo pai, Sr. Franco a directoria da gravadora Sony Music, que não sabia de quem se tratava, apenas que era uma nova banda. Após horas de reunião e insistência por parte da gravadora, que queria conhecer os artistas para assinar contrato, Franco revelou que eram seus filhos. Sapo AO, 16 de Setembro de 2009

Angola: Taxi de duas rodas

Taxi de duas rodas Uma moto-taxi transporta mercadorias no troço Lobito-Canjala Foto:@Francisco Bernardo/Jornal Angola

Alemanha: Beer... das Beer!

Beer... das Beer! Visitantes do Festival de Cerveja mais badalado do mundo. O 176º «Oktoberfest», em Munique, na Alemanha começou hoje e vai decorrer até dia 4 de Outubro, sempre com muita cerveja à mistura. São esperados mais de seis milhões de visitantes. Foto@EPA/Felix Hoerhager

18 de setembro de 2009

Malangatana preparando materiais para o seu monumento "Paz & Amizade", inaugurado no Barreiro, Portugal

Malangatana preparando o monumento Paz & Amizade Malangatana preparando materiais para o seu monumento Paz & Amizade, inaugurado no Barreiro, Portugal. Foto@SAPOMZ/Sílvia Panguane

Índia: Mergulho sagrado... e sujo

Mergulho sagrado... e sujo Um rapaz mergulha no Rio Ganges, durante a época religiosa do Mahalaya. Por esta altura do ano, milhares de indianos fazem o mergulho sagrado neste rio em Calcutá, Índia. O Mahalaya é festejado sete dias antes do Durga Puja, em evento religioso em homenagem a Durga, deus do supremo poder. Os Hindus acreditam que o água do Rio Ganges é sagrada e tem poderes curativos, sendo que muitos possuem em casa um cântaro com esta água. Por outro lado, o este rio é considerado um dos mais poluídos do mundo. Foto@EPA/Piyal Adhikary

17 de setembro de 2009

Angola: Dia do Herói Nacional assinala-se hoje

Dia do Herói Nacional assinala-se hoje Primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto Luanda – O dia 17 de Setembro, data de nascimento do fundador e primeiro presidente da República de Angola, António Agostinho Neto, é considerado Dia do Herói Nacional, devido ao seu contributo dado na luta armada contra o colonialismo português e pela conquista da independência nacional. O dia, instituído feriado nacional em 1980 pela então Assembleia do Povo, um ano após o seu falecimento, em 10 de Setembro de 1979 na antiga União das Republicas Socialistas Soviéticas, deve-se, também, ao reconhecimento do seu empenho na libertação de Angola, em particular, e do continente africano. Fruto da sua entrega à causa libertadora dos povos, o Zimbabwe e a Namíbia ascenderam igualmente à independência, assim como contribuiu para o fim do Apartheid na África do Sul. Agostinho Neto foi também um esclarecido homem de cultura para quem as manifestações culturais tinham de ser antes de mais a expressão viva das aspirações dos oprimidos, arma para a denúncia dos opressores, instrumentos para a reconstrução da nova vida. A atribuição do Prémio Lótus, em 1970, pela Conferência dos Escritores afro-asiáticos, Prémio Nacional de Cultura em 1975 e outras distinções são mais um reconhecimento internacional dos seus méritos neste domínio, com trabalhos tais como: Náusea (1952), Quatro Poemas de Agostinho Neto (1957), Com os olhos Secos, edição bilingue português-italiano (1963), Sagrada Esperança (1974), Renúncia Impossível (edição póstuma 1982) e Poesia (edição Póstuma 1998). Dotado de um invulgar dinamismo e capacidade de trabalho, Agostinho Neto, até a hora do seu desaparecimento físico, foi incansável na sua participação pessoal para resolução de todos os problemas relacionados com a vida do partido, do povo e do Estado. Como um marxistas-leninista convicto, Agostinho Neto reafirmou constantemente o papel dirigente do partido, a necessidade da sua estrutura orgânica e o fortalecimento ideológico, garantia segura para a criação e consolidação dos órgãos do poder popular, forma institucional da gestão dos destinos da Nação pelos operários e camponeses. A Agostinho Neto também se lhe reconhece o grande empenho na luta para a erradicação do analfabetismo, ao lançar a “Campanha Nacional de Alfabetiização, em 1979”. Ainda em reconhecimento à figura do fundador da Nação angolana, estão erguidas em vários pontos do país estátuas, que simbolizam os seus feitos e legados, marcado pelas suas máximas “De Cabinda ao Cunene um só povo e uma só nação” e “O mais importante é resolver os problemas do povo”. Para saudar a data, realiza-se no Centro de Convenções de Talatona, em Luanda, um “Colóquio Internacional sobre a vida e obra de Neto”, que aborda temas como “Agostinho Neto: um intelectual na encruzilhada das ideologias para a libertação do homem”. O acto central nacional alusivo ao 17 de Setembro vai ter lugar na província do Namibe e será marcado pela realização de uma manifestação política, sob orientação do ministro do Interior, Roberto Leal Ramos Monteiro "Ngongo". A jornada comemorativa agenda também inaugurações de algumas infra-estruturas sociais, nomeadamente de um posto de polícia e uma residência para o soba, ambos empreendimentos no bairro 5 de Abril, bem como de um centro de saúde e outro posto de polícia no bairro dos Eucaliptos. António Agostinho Neto nasceu no dia 17 de Setembro de 1922, na aldeia de Kaxicane, região de Icolo e Bengo. O pai, Agostinho Pedro Neto, era Pastor protestante e professor. A mãe, Maria da Silva Neto, era professora primária. Angola Press, 17 de Setembro de 2009

Gindungo (Angola)

Gindungo Gindungo (ou malaguetas frescas) Azeite Whisky Folha de louro Preparação: Retire os pés aos bagos e esmague muito bem num almofariz. Coloque a pasta obtida dentro de um frasco e por cada dedo de altura da pasta coloque um dedo de whisky de boa qualidade. Junte ainda azeite de oliveira de baixa acidez em metade da quantidade que colocou de whisky. Pode ainda juntar uma folha de louro. Agite tudo muito bem e está pronto a consumir. Para obter um sabor mais forte e picante pode deixar a ganhar tempero no frasco por um par de meses. Não se esquecendo de agitar com alguma frequência. Sugestões: Existem dois tipo de Gindungo (ou Jidungo) nome pelo qual é conhecido em Angola o piri-piri ou malaguetas. O Gindungo Cahombo, que é um bago mais redondo, de sabor mais agradável e cheiro mais caracteristico, mas com um tempo de conservação menor. O Gindungo “normal” ou de Calequeta (e ainda conhecido por Quimbundo) são os bagos mais compridos e mais parecidos com as vulgares malaguetas. É também mais picante que o Cahombo.

16 de setembro de 2009

Réplica da nau de Pedro Álvares Cabral pode ser visitada no Brasil (Rio de Janeiro)

Réplica da nau de Pedro Álvares Cabral pode ser visitada no Brasil A réplica da nau capitânia da armada de Pedro Álvares Cabral devia ter sido uma das estrelas das comemorações dos 500 anos da chegada dos portugueses ao Brasil. Alguns atrasos técnicos levaram a que a embarcação não fizesse o percurso previsto, de Salvador a Porto Seguro. Mas desde 2 de Setembro a nau pode ser visitada no cais do Centro Cultural da Marinha, no Rio de Janeiro. É uma cópia, feita a partir de fontes iconográficas do século XVI, de uma das 13 embarcações que constituíam a frota de Pedro Álvares Cabral na viagem de descobrimento - ou achamento, consoante os historiadores - do Brasil. A nau capitânia alberga agora uma exposição que pretende mostrar como era a vida a bordo nesta época. Pedro Álvares Cabral partiu de Lisboa em Março de 1500, apenas meses depois de Vasco da Gama ter regressado da sua bem sucedida viagem de descobrimento do caminho marítimo para a Índia. Em Abril, Cabral chegou ao Brasil, a que deu o nome de Terra da Vera Cruz. Rapidamente confirmou que aquele território estava dentro da área de influência portuguesa, de acordo com os limites traçados no tratado de Tordesilhas, pelo que podia ser reclamado para a coroa portuguesa. 16 de Setembro de 2009

15 de setembro de 2009

Casa da Morna em Lisboa: "Rostos e Paisagens de Cabo Verde" em exposição, a partir de 14 Setembro

Casa da Morna: "Rostos e Paisagens de Cabo Verde" em exposição, a partir de 14 Setembro Desde o dia 14 de Setembro, na Casa da Morna em Lisboa, pode ver-se a exposição "Rostos e Paisagens de Cabo Verde", do fotógrafo Nuno Augusto. Nuno Augusto viajou por todas as ilhas de Cabo Verde e fotografou dezenas de pessoas e locais. A recolha de imagens durou cerca de 13 semanas o que permitiu registar alguns momentos importantes da cultura e tradições cabo-verdianas, como o Festival de Música da Gamboa, Festas de São João, Festas de Nossa Senhora do Livramento. O grande objectivo desta exposição (de 18 fotos) é retratar as diferenças de paisagens e rostos de ilha para ilha. Sapo CV, 15 de Setembro de 2009

Portugal: Inaugurado monumento "Paz e Amizade" do escultor Malangatana, no Barreiro







Inaugurado monumento "Paz e Amizade" do escultor Malangatana Foi inaugurado ontem no Barreiro o Monumento escultórico Paz e Amizade, da autoria de Malangatana. Durante seis meses, no seu atelier no Barreiro, o escultor moçambicano produziu um monumento imponente, composto por 120 peças de um metro cada que, casadas de duas em duas, constituem seis módulos. O monumento escultórico a que o mestre moçambicano chamou de Paz e Amizade está localizado em frente ao Fórum Barreiro, bem no centro da cidade, na Praça com o nome da obra de Malangatana. A cerimónia de inauguração começou com uma visita ao Auditório Augusto Cabrita onde está patente uma exposição do Making of da obra escultórica, tal como algumas peças produzidas por Malangatana durante a sua estadia na cidade da margem sul do Tejo. O Auditório Augusto Cabrita acabou por ser pequeno para receber tanta gente que se deslocou ao local para apreciar a obra do mestre moçambicano. De entre os presentes, destaque para o Ministro da Cultura portuguesa José António Pinto Ribeiro, do embaixador da República de Moçambique em Lisboa, Miguel Costa Mkaina, do presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Carlos Humberto de Carvalho, entre muitas outras personalidades barreirenses mas também muitos artistas africanos que acederam ao convite para marcar presença nesse dia histórico para a cidade. O Ministro da Cultura de Portugal agradeceu ao mestre Malangatana pela obra, destacando que este trabalho reflecte a grande ligação entre os dois povos e mostrou-se particularmente agradado com o convite feito a Malangatana para realizar a obra, uma vez que o próprio é natural de Moçambique. O edil barreirense, Carlos Humberto Carvalho aproveitou para agradecer ao escultor moçambicano, não só pela obra em si mas também por aquilo que o artista trouxe com a sua estadia. Malanganta participou em ateliers de pintura, fez parte de grupos de convívio, interagiu muito com a população e foi uma presença notada na cidade. O presidente da Câmara referiu ainda que o monumento representa aquilo que é o Barreiro, uma cidade multi-cultural, uma cidade de paz e amizade de convívio entre povos diferentes, até porque a cidade é habitada por muitas pessoas que estiveram no ultramar mas também por emigrantes ou descendentes de emigrantes das ex-colónias portuguesas. Após uma visita aos quadros expostos sobre como o mestre Malangatana e outros escultores que com ele trabalharam na execução da obra, seguiu-se um jantar servido ainda no Auditório Augusto Cabrita, antes da inauguração propriamente dita. Com uma plateia recheada de pessoas, Malangatana mostrou ser um artista multifacetado, ao cantar com o Coral dos Trabalhadores das Autarquias do Barreiro. Em palco estiveram ainda o grupo da Associação de Dança MGBOSS, assim como o grupo moçambicano Xipane-pane, que , para além de cantos tradicionais, presenteou o público presente na Praça Paz e Amizade com danças de Moçambique. O próprio Malangatana e o embaixador de Moçambique fizeram questão de mostrar que ainda sabem dar um pezinho de dança, ao juntarem-se ao grupo. A grande ovação da noite aconteceu quando Malangatana subiu ao palco, juntamente com as duas filhas e agradeceu aos barreirenses pela amabilidade, hospitalidade e amizade conquistada ao longo dos últimos seis meses em que o artista levou um pedaço de Moçambique até ao Barreiro. Na hora dos agradecimentos, Malangatana fez questão de lembrar dois nomes simbólicos da cidade. Augusto Cabrita com quem privou e quem o convidou para uma visita a cidade da margem sul do Tejo e Alfredo da Silva, um homem cuja vida e obra marcou o Barreiro. Sapo MZ, 15 de Setembro de 2009

Cabo Verde: Cidade da Praia já tem limousine

PRAIA JÁ TEM LIMOUSINE Praia, 15 Setembro - A Cidade da Praia tem um parque automóvel que faz inveja a qualquer país africano, mas, faltava este mimo… ou melhor, este Limo que vai passeando pelas ruas da capital, de mansinho, na manso, manso, porque também não há muito espaço para muito mais. Liberal, 15 de Setembro de 2009

Couve alemã

Couve alemã Maren Schuett junta mais uma couve repolho à pirâmide para abrir o 23º Festival dos Dias da Couve de Dithmarsch, em Friedrichgabekoog, na Alemanha. O festival marca o arranque oficial da plantação de couve repolho na região de Dithmarschen, a maior plantação deste legume na Europa. Foto@EPA/Carsten Rehder

Moçambique: Luabo aumenta área de produção de cana-de-açúcar




Luabo aumenta área de produção de cana Pelo menos trezentos hectares serão acrescidos no próximo ano à área actualmente usada na produção de cana-de-açúcar no posto administrativo de Luabo, distrito de Chinde, na Zambézia, no quadro do reforço da disponibilidade de matéria-prima para a companhia açucareira de Marromeu, em Sofala. O delegado de produção da Companhia de Sena em Luabo, Alberto Mandice, disse ao “Notícias” que actualmente estão a ser explorados apenas 63 hectares, numa vasta área onde deverão ser realizados avultados investimentos para revitalizar a produção da cana. Para já há garantias da existência de boas condições agro-ecológicas e de capacidade em termos de mão-de-obra para assegurar o trabalho no campo. Antes do último conflito armado funcionava em Luabo uma fábrica de produção de açúcar que acabou completamente destruída devido à guerra que propiciou actos de vandalismo, sabotagem e destruição das instalações e equipamentos. Com o fim da guerra, a Companhia de Sena começou a interessar-se pela recuperação da produção da cana. A primeira produção após o relançamento da produção foi escoada para a fábrica de Marromeu para processamento. Diariamente, segundo a nossa fonte, são transportadas para Marromeu 60 toneladas de cana sacarina para processamento na açucareira local. Os ensaios feitos em 2001 já davam indicação de que a região dispõe de um grande potencial para a produção de cana-de-açúcar. O governador da Zambézia, Carvalho Muária, mostra-se satisfeito com os níveis de envolvimento da produção em Luabo e apelou à Companhia de Sena para que, dentro das suas possibilidades, em termos financeiros, pense na reabilitação da fábrica. Graças ao funcionamento da açucareira, Luabo tornou-se numa referência nacional em termos de desenvolvimento, esperança completamente desfeita pela guerra que reduziu aquela unidade industrial a escombros. Maputo, Terça-Feira, 15 de Setembro de 2009:: Notícias