31 de agosto de 2009

México: «Sombreros» juntos por um recorde!

«Sombreros» juntos por um recorde! Mais de 500 «mariachis» mexicanos juntaram-se para tentar entrar no Livro dos Recordes do Guiness, reunido-se em Guadalajara, no México. Na cidade que viu nascer os «Mariachi» e a tequilha, juntaram-se músicos vindos de todo o país, de 66 grupos diferentes! Foto@EPA/Tonatiuh Figueroa

Em Portugal tal como em Moçambique: Crime ambiental em “Zona Protegida”

Em Portugal tal como em Moçambique Crime ambiental em “Zona Protegida” Em vez de chineses propala-se que o take-away é de espanhóis Lisboa (Canalmoz) – O fenómeno do “take-away” de madeiras não se restringe a Moçambique. Os contornos do crime ambiental que decorre na província moçambicana da Zambézia e que foi denunciado por ambientalistas em relatório da autoria de Catherine Mackenzie, envolvendo empresas madeireiras chinesas, repetem-se numa outra parte do mundo, com a agravante deste novo crime ocorrer em “zona protegida” da velha Europa. Estamos a falar de Portugal, o famoso país à beira-mar plantado, mas muito maltratado. Em vez de chineses, propalam os autores do crime estarem ligados a espanhóis os donos do “take-away” a funcionar na costa portuguesa. Mas tal como o “take-away” chinês da Zambézia, há conivências de pessoas influentes da terra e as autoridades também fecham os olhos perante o calamitoso desastre ambiental. Mais grave ainda, o poder central, perante a tolerância do poder local e das autoridades do ambiente e das florestas, escusa-se a intervir num interminável “passar de bola”. A máxima de Harry Truman de que “a bola pára aqui”, tarda em ser posta em prática em terras lusas onde tudo é possível, desde a impunidade e o abuso de poder à destruição de serras e montanhas que passam a pedreiras em zona turística por excelência, como é o conhecido caso da Serra de Monchique no barlavento algarvio, sede das afamadas termas com o mesmo nome que desde há um bom par de anos passaram a coabitar com camiões e bulldozers num vaivém incessante para o transporte de cascalho, brita e também granito. O Crime No passado dia 3 de Agosto, camiões gigantes para transporte de longo curso de 30 toneladas chegaram à pacata localidade algarvia conhecida por Vale da Telha, inserida num extenso Parque Natural com paisagem (des) protegida intitulado Costa Vicentina. Feito o levantamento das árvores existentes, deu-se início ao abate dos eucaliptos começando por invadir uma propriedade privada com o seu dono ausente, serrando a eito muitas centenas de árvores de médio porte e cerca de meia centena consideradas ornamentais com diâmetros superiores a 50 cms. Nessa propriedade saqueada o crime rendeu cerca de 22 camiões longos, carregados com toros cortados com 2.30m de comprimento. Como que a justificar a indiferença que manifestam por mais este crime ambiental, as autoridades portuguesas esgrimem o argumento de que o eucalipto é uma “espécie indesejável” ao ponto de classificarem-na como árvore sem qualquer protecção no Parque Natural da Paisagem Protegida da Costa Vicentina. Contrariando estudos de cientistas, essas autoridades olham o eucalipto como uma “árvore que destrói tudo”. O eucalipto é uma árvore considerada especial. Conhecem-se seiscentas espécies e continua-se a identificar novas que aparecem. Muitas delas nascem espontaneamente, desenvolvem-se e multiplicam-se em solos muito pobres carentes de nutrientes, nomeadamente nitrogénio e fosfatos e naqueles considerados impróprios para qualquer tipo de agricultura apenas necessitando para se fixarem exíguos cursos de água próxima, mesmo que sejam sazonais, em lugares que nada se cultiva, como é o caso do saque perpetrado no Vale da Telha, que além de inserido num Parque Natural é simultaneamente a maior urbanização da Europa com 550 hectares de superfície. Para além de fins ornamentais, o eucalipto do Vale da Telha torna o local aprazível, especialmente na época quente do Verão. Defendem os especialistas nesta matéria que não se deve confundir os eucaliptos especialmente plantados massivamente para a indústria da celulose ou produção de lenha que pelo seu elevado número num espaço restrito absorve a quase totalidade da humidade existente nessa área, com aquelas que por obra do acaso da natureza ou propositadamente para uma determinada finalidade, nascem ao longo de cursos de água mesmo exíguos e sazonais ou aqueles que a mão do homem faz nascer e crescer aqui e ali de modo a tornarem-se imponentes e frondosas árvores para eficazes e únicas cortinas contra o vento, para protecção de culturas e habitações, além de poeiras atmosféricas, idem drenar pântanos e em muitos casos controlar as zonas húmidas de proliferação de mosquitos, suster arribas e dunas de areia e conter a fúria do mar etc. (Redacção) 2009-08-31

30 de agosto de 2009

Angola: Cidade do Kuito celebra 84º aniversário de elevação à categoria de cidade

Angola: Cidade do Kuito celebra 84º aniversário Kuito - O município do Kuito, província do Bié, completa a 31 de Agosto "segunda-feira" 84º anos, desde que passou à categoria de cidade, em 1925, com a entrega oficial da pista local "Joaquim Kapango" e a inauguração da exposição fotográfica do seu passado histórico a marcar o momento mais alto das celebrações. Segundo uma nota de imprensa do governo provincial chegada à Angop, todos os partidos políticos, instituições religiosas, associações e a população em geral, são convidadas a participar das festividades, de modo a dignificar a festa, e enaltecer os esforços do governo para a reconstrução das infra-estruturas destruídas durante o conflito armado. Refere que, no quadro das festividades do Kuito "ex-Silva Porto", foram já realizadas várias actividades, designadamente palestras, concursos de pratos típicos da região, inaugurações de infra-estruturas sociais e a abertura até ao dia 17 de Setembro "dia do herói nacional" da feira municipal, com a exposição de artefactos de artes diversas e outros atractivos. Com o alcance da paz em 2002, e pela dimensão da destruição que a cidade sofreu devido a guerra, o governo angolano, traçou três importantes programas: Exumação dos corpos enterrados nos quintais e jardins, reconstrução da cidade do Kuito e a melhoria da oferta dos serviços básico à população, que contribui na melhoria significativa da recuperação das infra-estruturas socio-económicas, bem como das suas condições de vida. Durante os sete anos de paz, o governo provincial implementou projectos no domínio da construção de Institutos Médio e hospitais, o que permitiu a melhoria da qualidade do ensino e a aprendizagem por parte dos estudantes e alunos, e da assistência médico-medicamentosa à população. A reabilitação das estradas e pontes, bem como as ruas no interior dos bairros periféricos da sede capital, contribuiu para a circulação de pessoas e mercadorias da cidade para o campo e vice-versa, e consequentemente o desenvolvimento dos municípios. Constam dos projectos em curso, a construção de dois novos mercados, na sede municipal e na localidade do Chissindo, que além de garantir uma melhor comodidade aos vendedores permitirá melhorar a qualidade dos produtos. Angola Press, 30 de Agosto de 2009

Autárquicas em Portugal: Mulher de 97 anos é candidata

Autárquicas em Portugal: Mulher de 97 anos é candidata Chama-se Teresa Santos Lopes, tem 97 anos e faz parte das listas a Assembleia da Freguesia de Vila Franca da Beira, em Oliveira do Hospital. Até então, é a mais velha candidata às eleições autárquicas que se realizam a 11 de Outubro. Mas a presença da "jovem" Teresa não é um acaso. Perto de completar um século de vida, aceitou candidatar-se para apoiar o filho, António Lopes, número dois da Lista apresentada pelo Partido Socialista, para quem só tem palavras elogiosas: "As pessoas não fazem como o António Lopes, que não anda aqui para ganhar dinheiro, nem para criar penacho, anda por humanidade ele não precisava de andar nesta vida", afirmou ao diário regional "As Beiras". Assumindo-se como "muito politiqueira", tem uma visão de política de fazer inveja a muita gente: "não se pode ir para uma junta ou uma câmara a pensar que vão os outros trabalhar por nós, não pode ser uma brincadeira", disse D. Teresa, mãe de 8 filhos, e conta ainda com 20 netos, 32 bisnetos e um trineto. O desemprego entre os jovens da Vila Franca da Beira e o estado da sua terra são alguns problemas que preocupam a D. Teresa que vai continuar a chamar a atenção para os problemas da terra. Até porque como disse, pode estar "muito doentinha e velhinha mas a língua ainda está boa". Sapo MZ, 30 de Agosto de 2009

29 de agosto de 2009

Frigenote (São Vicente) - Cabo Verde

FRIGENOTE (São Vicente) Ingredientes: 1/2 kg de fígado de porco 1/2 de rim de porco 1/2 de bofe 1/2 de costeleta 100 gr de baço 2 cebolas grandes 2 pimentos 2 dl de óleo 100 gr de margarina 1/2 dl de vinho branco 1 colher de sumo de limão Louro, cominhos, pimenta, alho, coentros, sal a gosto Preparação: Em água temperada com sal e folha de louro dá-se fervura às miudezas e costeletas. Numa tábua, corta-se tudo aos bocadinhos. Numa frigideira ou panela junta-se o óleo, a margarina e a cebola picada e leva-se ao lume até esta ficar alourada. Introduz-se o picado juntamente com o vinho e tempera-se com alho, pimenta, cominhos e pimentos. Deixa-se refogar até ficar tostadinho. Com uma faca, raspa-se o baço que se introduz cru no refogado para engrossar o molho e adiciona-se o sumo de limão. Deixa-se ao lume mais dez minutos. Serve-se com ratchas de mandioca ou rolon. Ratchas de mandioca - pedaços grandes Rolon - papa de milho (grossa)

Carne de cabra (Guiné-Bissau)

Carne de cabra Ingredientes: Costelas de cabra; Banha de cabra (unto) Cebola e sal Preparo: Corte a carne de cabra em pedaços e tempere com sal. Corte a cebola em rodelas, grelhe as costelas na braza, a fogo brando, juntamente com as rodelas de cebola e o unto (gordura de cabra). Sirva quente.

Gastronomia Tradicional Fula (Guiné-Bissau)

Gastronomia Tradicional Fula Ingredientes: Farinha de mandioca seca; Carne de vaca; Óleo de palma; Mancarra ralada; Folha de tomate; Tomate, netetu, malagueta e sal Modo de preparo: Corte a carne de vaca em pedaços e tempere com sal e alho, junte folha de tomate e leve a cozer em lume brando. Quando estiver bem cozida, rectifique os temperos, adiccionando um pouco de sal e malagueta a gosto. Adicione o óleo de palma. Pile a mandioca seca, peneire até obter uma farinha branca e fina. Misture com um pouco de água e cozinhe em banho-maria. Quando estiver pronto, sirva com o caldo de carne e óleo de palma.

Frango Cafrial à Zambeziana (Moçambique)

Frango Cafrial à Zambeziana Ingredientes: 1 frango médio 1 côco ralado 8 dentes de alho 1 folha de louro Sal a gosto Modo de Preparar: Limpe bem o frango e deixe escorrer num passador. Rale o côco para dentro de uma bacia plástica e, depois de ralado deite meia chávena de chá de água quente e meia de água fria, mexa muito bem com as mãos até ficar um leite mais ao menos cremoso, deixe arrefecer, enquanto pila o alho e o sal. Para temperar o frango, ponha-o num tabuleiro e tempere com o preparado e a folha de louro. Uns minutos depois deite meia quantidade do leite do côco, fica a marinar por meia hora. À parte, numa tijelinha junte o resto do leite de côco e um pouco de azeite. Este frango é assado na brasa e de vez em quando, com uma pena de galinha vá borrifando o preparado de leite e azeite sobre o frango até estar pronto para servir. Nota: O preparado de leite de côco e azeite é para que na altura de assar o frango na brasa a pele fique mais estaladiça.

Caril de caranguejo (Moçambique)

MOÇAMBIQUE: Caril de Caranguejo Ingredientes: 2 Kg de caranguejo 4 tomates médios pelados 2 cebolas médias picadas 4 dentes de alho picados; 2 folhas de louro 6 cravinhos da Índia 1 porção de gengibre 3 colheres de sopa cheias de óleo de amendoim 1 coco ralado misturado com uma colher cheia de tamarindo esmigalhado.
Junta-se a essa mistura um litro e meio de água a ferver e coa-se num pano para uma tigela 2 colheres de sopa bem cheias de pó de caril sal (a gosto) 1 colher de chá cheia de tamarindo. Modo de Preparar: Lava-se, limpa-se e parte-se o caranguejo. Numa panela juntam-se o tomate, a cebola, alho, louro, cravinho, gengibre e óleo. Põe-se tudo a refogar muito bem, juntamente com pequenas porções de água a ferver. Depois de cozido, junta-se a têmpera e um pouco de leite de coco. Deixa-se cozer muito bem a têmpera, acrescentando-se leite de coco sempre que necessário. Depois deita-se o caranguejo, e deixa-se ferver em lume brando, acrescentando-se o resto do leite de coco até ficar um molho grosso e bem apurado. Serve-se com arroz branco solto ou com arroz cozido em água do leite de coco.

Calulu (receita alternativa) - S. Tomé e Príncipe

CALULU (receita alternativa) Ingredientes: 500 grs de camarão descascado 1 dl de óleo-de-palma 1 kg de garoupa 5 quiabos 2 tomates maduros 2 beringelas 1 raminho de manjerona sal a gosto. 1 folha de louro piripiri a gosto. 2 cebolas 20 grs de farinha Modo de Preparar Folhas: Couve, agrião, pimenta, otaje, folha de ponto, folha de tartaruga, folha de libô, d´água, ton fonso, cunda mina, macumbi (tenrinha), figo tôdô (tenrinha), figo porco (tenrinha), goiaba (tenrinha),folha tótóú (tenrinha), bujíbují (tenrinha). Peixe diversos defumados: Camarão, voador placá, fulu-fulu, bonito, andala, carne fumada (típicos da zona). Óleo de palma, (azeite dédem) fruta -pão, farinha de mandioca, ossame, pau pimenta, quiabo, maquêquê, tempero, cebola , folha de louro, tomate, malagueta, mosquito e beringela. Lava-se muito bem a Bagatela ou uma panela com tampa. Lavam-se as folhas, tritura-se e coloca-se na Panela. Prepara-se o peixe fumado e seco ou carne e coloca-se também na Panela. Depois das folhas cozidas acrescenta-se o quiabo, o tomate, o pau pimenta, o óssame, a cebola, alho, folha de louro, fruta pão descascada e cortadas em fatias. O óleo de palma e a maquêquê descascada pode-se pôr no principio ou no meio da fervura. Depois da fruta bem cozida, ela deve ser retida da panela para ser triturada ou pisada numa gamela ou num pilão. Acrescenta-se a quantidade de água necessária, no caso de ser peixe seco com ossos põe-se desde o inicio. Depois de tudo bem cozido volta-se a colocar a fruta já pisada para engrossar o Calulu. Depois de engrossado põe-se a malagueta, o tempero, a cebola e a casca de pau pimenta previamente pisados em conjunto deixando ferver; espalha-se um pouco de farinha de mandioca. Deixa-se a ferver durante 1 hora tendo-se o cuidado de ir provando. O sal deve ser posto à medida, qb. O calulu é acompanhado com: Angú de banana Farinha mandioca Arroz branco Farinha de Milho

Calulu de peixe (à moda de São Tomé)

CALULU DE PEIXE ( à moda de São Tomé) Ingredientes: 500 grs de camarão descascado 1 dl de óleo-de-palma 1 kg de garoupa 5 quiabos 2 tomates maduros 2 beringelas 1 raminho de manjerona sal a gosto. 1 folha de louro piripiri a gosto. 2 cebolas 20 grs de farinha Modo de Preparar: Depois do peixe arranjado e lavado, corta-se às postas não muito finas. Leva-se um tacho ao lume com a cebola picada, a beringela descascada e cortada às rodelas, o tomate sem peles nem sementes e picado, os quiabos cortados ao meio, piripri pisado, o molhinho de manjerona, a folha de louro, o peixe e os camarões. Tape o tacho e deixe ferver um pouco. A seguir adiciona-se água a cobrir e deixa-se cozer. Quase no fim da cozedura, mistura-se a farinha desfeita num pouco de água, junta-se esta mistura ao preparado, agita-se o tacho para misturar e deixa-se engrossar o molho. Sirva acompanhado com Angu de Banana ANGU DE BANANA Ingredientes: 10 bananas Confecção: Leve um tacho ao lume com as bananas com casca e água para cozerem.
Depois de cozidas, descascam-se e desfazem-se bem com um garfo.
É um óptimo acompanhamento para peixes.

Moçambique: “Dulcineia e o Cavaleiro dos Leões” no Teatro Avenida, em Maputo

“Dulcineia e o Cavaleiro dos Leões” no Avenida A companhia teatral AGERRE TEATROA, de Espanha, a Associação LUARTE, de Moçambique, e a Escola de Comunicação e Arte da UEM (Universidade Eduardo Mondlane), levaram ontem (18,00h), e ainda hoje e Domingo, à cena, no Teatro Avenida, em Maputo, a peça “Dulcineia e o Cavaleiro dos Leões”. O evento, que tem o patrocínio da Embaixada de Espanha e da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento, é dirigido pela encenadora Maite Agirre e conta com a assistência de Dinis Chembene.
Estarão envolvidos vários artistas desde músicos, bailarinos, técnicos de som e de luz, cenógrafos entre outros. Os actores serão em número de 15. O espectáculo será realizado em castelhano e português, conectando as duas línguas e as duas culturas, espanhola e moçambicana, através da inclusão na obra de personagens típicos moçambicanos, instrumentos tradicionais dança e música moçambicana e espanhola. A entrada é livre. Cristóvão Araújo Sapo MZ, 28 de Agosto de 2009

Cabo Verde: Ilha de São Nicolau acolhe fórum sobre os 278 anos da "Vila da Ribeira Brava"

S. Nicolau acolhe fórum sobre os 278 anos da Vila da Ribeira Brava A capital histórica de S. Nicolau acolhe neste Sábado, 30, um fórum de dimensão nacional. O evento enquadra-se nas comemorações dos 278 anos da Vila da Ribeira Brava, declarada recentemente património nacional. Esta iniciativa parte da Câmara de Américo Nascimento e acontece durante todo o dia, entre às 9H30 e 14H30, na Biblioteca municipal. O fórum está estruturado numa série de quatro conferências e tem como desígnio «Vila da Ribeira Brava, 278 anos». Em debate estarão vários aspectos relacionados com a história, a paisagem, a cultura e o património construído da Ribeira Brava. O encontro abre com o tema «Vila da Ribeira Brava – Passado, Presente e Futuro», a ser desenvolvido por António Correia e Silva, historiador e reitor da Universidade de Cabo Verde. Já o docente da Uni-CV Lourenço Gomes dissertará sobre «A Preservação do Património Arquitectónico versus Desenvolvimento Urbanístico da Ribeira Brava». Um outro tema a ser debatido tem a ver com «A Vila da Ribeira Brava – Património Nacional – Sua importância no desenvolvimento turístico e económico do Município da Ribeira Brava e da ilha de São Nicolau». Carlos Ferreira, director-geral do Desenvolvimento Turístico é o palestrante nesse painel que quer ir buscar ao passado as potencialidades para um presente e futuro sustentados. O fórum fecha com uma conferência sobre o «Ordenamento Viário na Vila da Ribeira Brava: Que soluções?». Este item vai ser desenvolvido por Pedro Delgado, arquitecto e director-geral do Ordenamento do Território. Esta jornada de reflexão promovida pela CMRB acontece pouco tempo depois de o governo, através de uma resolução do Conselho de Ministros, ter declarado a Vila da Ribeira Brava de S.Nicolau património nacional. ADP A Semana, 29 de Agosto de 2009

África: Moçambique acaba de ser agraciado com o prémio “Nandi” pela organização “Femmes África Solidarité”

Promoção de género: África distingue Moçambique Moçambique acaba de ser agraciado com o prémio “Nandi” pela organização “Femmes África Solidarité” (Solidariedade Feminina Africana), em reconhecimento das várias realizações e iniciativas atinentes à promoção do género. O prémio foi recebido ontem, em Maputo, pelo Presidente da República, Armando Guebuza, durante a audiência que concedeu à directora executiva daquela organização feminina, Bineta Diop. O prémio é uma estatueta inspirada na história de uma mulher africana que enfrenta desafios na vida social, política e económica, segundo disse à Imprensa, Bineta Diop, momentos depois da audiência com o Chefe do Estado. A nossa fonte precisou que o prémio resulta do reconhecimento dos esforços que Moçambique vem desenvolvendo no âmbito da promoção do género quer no campo político, económico, quer no social. Falando à Imprensa, Bineta Diop explicou que apesar do prémio reflectir os desafios que são colocados à mulher, não olha para a mulher apenas como vítima, mas também como ela é reconhecida. “Moçambique é exemplo em termos de reconhecimento da mulher – disse, acrescentando que estamos satisfeitos em anunciarmos que o prémio coube a Moçambique por tudo o que tem feito para o bem da mulher e de toda a sociedade”, afirmou Bineta Diop. A indicação de Moçambique como vencedor do prémio africano de promoção do género, edição 2009, foi decidida em Janeiro ultimo, em Addis-Abeba, na Etiópia. Perante vários outros candidatos, Moçambique acabou-se evidenciando por ter respondido ao maior número de factores. De acordo com Diop, Moçambique saiu muito recentemente de um conflito armado mas tem se destacado, mais do que muitos países africanos, na promoção do género, para além de que é um raro exemplo de territórios que conseguem manter a paz. “Todos precisamos de aprender de Moçambique sobre como é que tem se destacado sobre várias questões, incluindo a do género”, disse Bineta Diop. O prémio “Nandi” já foi atribuído a países como Senegal e Ruanda. Maputo, Sábado, 29 de Agosto de 2009:: Notícias

Argentina: Mafalda homenageada com escultura em Buenos Aires

Mafalda homenageada com escultura em Buenos Aires Mafalda, a pequena e contestatária personagem de banda desenhada criada por Quino, vai estar sentada num banco de jardim em Buenos Aires a partir de Domingo, 30 de Agosto. É uma homenagem ao seu autor, Joaquin Lavado (Quino), feita a uma escala humana, que permite a quem passa sentar-se e parar a olhar o mundo ao lado da pequena Mafalda. Paul Irrgang, o autor da escultura, diz que a ideia inicial era fazer uma obra mais monumental, mas optou por uma escala diferente: "Senti que o espírito da personagem requeria uma coisa próxima, uma certa intimidade, um tamanho que convidasse as pessoas a abraçá-la, a tirar fotografias com ela". Assim, a Mafalda de Irrgang, cujos desenhos o próprio Quino pôde ver e comentar, tem o tamanho de uma menina real. Sentada num banco, traz um vestido verde, um laço na cabeça e as meias brancas descaídas sobre os sapatos pretos. A escultura de Mafalda vai ficar no bairro de San Telmo, em frente à casa onde viveu Quino. Já em 2005 tinha sido inaugurada em Buenos Aires uma Praça Mafalda, com parque infantil temático. Mafalda - que adora os Beatles e odeia sopa - surgiu em 1964. Era inicialmente um projecto pensado para o jornal Clarín, mas acabou por sair em outras publicações. Mais tarde, ganhou vida e sucesso mundial por si mesma, na companhia de outras personagens - a família e os seus amigos mais próximos - ao longo de páginas por onde passavam críticas políticas e sociais e preocupações com a situação do mundo. Foi traduzida em 20 línguas. Quino deixou de criar novas tiras da Mafalda em 1973, mas os livros mantiveram-se um sucesso. Imagem: EPA/LEO LA VALLE 28 de Agosto de 2009

28 de agosto de 2009

África do Sul: Um rapaz de 12 anos, oriundo de Moçambique, sobreviveu oito dias no Kruger Park

Rapaz de 12 anos sobrevive sozinho num parque selvagem Um rapaz de 12 anos, oriundo de Moçambique, sobreviveu oito dias no Parque Nacional Kruger, na África do Sul, rodeado de leões e elefantes. A criança perdeu-se da família enquanto tentava atravessar a fronteira ilegalmente. Alex Mboweni perdeu-se da família quando esta foi surpreendida pela polícia fronteiriça ao abandonar Moçambique. Alex correu e nunca mais foi visto pela mãe, entretanto capturada pelas autoridades. A criança surpreendeu tudo e todos ao ser encontrada viva oito dias depois. Segundo relatou ao jornal sul africano "Daily Sun", Alex nunca pensou que alguém o encontrasse com vida. "Pensei que fosse morrer", relatou. A criança ficou desorientada, sem saber "onde estava, nem para onde ir" só encontrou água três dias depois de ter chegado ao parque, bebendo de um rio também utilizado por elefantes e leões. À noite, Alex dizia sentir "muito medo", pois ouvia "os leões rugirem e outros animais a fazer barulho". Foi o pai da criança que deu o alarme. Samuel, único residente legal da família na África do Sul, reportou o desaparecimento do filho numa esquadra perto da fronteira. A mãe, detida na mesma esquadra, foi, então, utilizada para localizar o filho, subindo a um monte e berrando o seu nome. Ao sexto grito, Alex apareceu. A criança nem queria acreditar na sua sorte quando ouviu a mãe chamar por ele. "Consegui aproximar-me do local de onde vinha a voz que me chamava e era mesmo verdade, era a minha mãe que chamava por mim", disse. Alex foi depois levado para um hospital, mas não apresenta problemas físicos decorrentes dos oito dias que passou, sozinho, entre animais selvagens. SAPO MZ com A Semana, 28 de Agosto de 2009

Portugal: A súplica de Inês de Castro

A súplica de Inês de Castro A tela "Súplica de Inês de Castro", de Vieira Portuense (1765-1805), vai estar em exposta nos próximos três meses no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto.O quadro, cujo paradeiro era desconhecido desde 1807, foi resgatado num leilão realizado em Paris, em Junho de 2008, por um mecenas português, na sequência de um alerta lançado pelo Grupo de Amigos do MNAA, tendo depois sido comprado pela Caixa Geral de Depósitos por 257 mil euros. Foto@LUSA

João Maria Tudela: Kanimambo

Natércia Barreto: Óculos de sol e Primavera do amor (1968)

Camarões à Laurentina (Moçambique)

Camarões à Laurentina Ingredientes: Camarão de Moçambique 10/20: 1 kg Azeite extra virgem: 2 colheres de sopa Cebolas:4 Alho: 2 dentes picados Cominhos em pó: 2 colheres (chá) Açafrão em pó: 2 colheres (chá) Tomate: 4 sem pele e graínhas (concasset) Leite de côco: 400 ml Coentros: 50 gr picados no momento Tomates cherry: 10 Preparação: Descascar o camarão, e deixar as cabeças e a cauda intactas. Pôr ao lume o azeite e juntar as cebolas cortadas em meias luas, junte os cominhos e o açafrão e metade dos coentros picados. Junte o tomate e o alho e deixe cozinhar 3 mins. Junte os camarões, o leite de côco e sal a gosto e deixe cozinhar até os camarões estarem cozidos. Polvilhar com os restantes coentros picados e os tomates cherry. Sugestões: Servir com arroz basmati ou arroz branco.

Banana caramelizada (Moçambique)

Banana caramelizada Ingredientes: Banana: 1 Manteiga: 20 gr Canela: 2 paus Açúcar: 20 gr Canela em pó para polvilhar: q.b. Gelado de natas frescas para acompanhar (sugestão) Preparação: Corte a banana no sentido longitudinal e em seguida em 4 pedaços Aqueça e derreta a manteiga na frigideira quente (não deixe queimar a manteiga) Junte a banana e polvilhe com açúcar e canela e deixe o açucar derreter, vire as bananas e repita o processo, retirar da frigideira antes que a banana coza demais e perca solidez. Mexer o menos possível para o caramelo aderir à banana Servir de imediato acompanhado de gelado de natas, de modo a criar este contraste de quente e frio. Sugestões: Acompanhe com gelado de natas frescas.

27 de agosto de 2009

Impacto em Júpiter (João Porto, 2009)

Impacto em Júpiter No dia 19 de Julho foi detectado o efeito de um impacto (um cometa ou asteróide) no planeta Júpiter numa zona do hemisfério sul. Este impacto foi, posteriormente à sua descoberta pelo astrónomo amador australiano Anthony Wesley, confirmado por Glenn Orton, do Jet Propulsion Laboratory da NASA, quando utilizou um telescópio na banda do infravermelho. Este é o segundo grande impacto depois do Shoemaker-Levy 9. Em 1994, o SL 9 passou por Júpiter dentro do limite de Roche. Foi então quebrado em pelo menos 21 fragmentos que foram dispersos por vários milhões de quilómetros. Faz agora 15 anos, exactamente entre 16 e 22 de Julho de 1994, que os fragmentos atingiram a atmosfera superior de Júpiter. Agora, na noite de 25 de Julho, registámos vários filmes em formato AVI, realizados com uma SPC900NC e um Cetestron 203mm f/25, que tratados posteriormente com o software Registax, originou um “stack” de 3 imagens, apesar da forte turbulência que fazia literalmente “flutuar” a imagem de alta resolução. O impacto em Júpiter deixou uma clara cicatriz desde o dia 19, estando a evoluir de forma a alastrar-se no Sistema II a uma latitude de 210º sob a forma de uma mancha negra que deverá representar a subida na alta atmosfera de Júpiter dos hidrocarbonetos existentes nas camadas mais baixas auxiliado pelos sistemas tempestuosos que circulam naquele planeta. João Porto 07 de Agosto de 2009

Júpiter: um planeta gigante à vista de todos


Júpiter: um planeta gigante à vista de todos Alguns terão já perguntado que astro será um ponto brilhante que se vê, pelas dez da noite, mais ou menos na direcção Sul. A resposta é bem simples: trata-se do planeta Júpiter. Júpiter é gasoso e é o maior planeta do Sistema Solar, com uma massa superior a 300 vezes a massa da “nossa” Terra. Estando afastado do Sol a uma distância superior a 5 vezes a separação Terra-Sol, este planeta gigante demora quase 12 anos a dar uma revolução em torno do Astro-Rei. Em contrapartida, tem uma velocidade de rotação em torno de si próprio muito maior do que a Terra: apesar da sua colossal dimensão, Júpiter demora apenas 10 horas para fazer uma rotação, ou seja, o dia joviano (isto é, de Júpiter) é menos de metade do dia terrestre. Uma das particularidades menos conhecidas de Júpiter são os seus anéis. Não sendo observáveis a partir da Terra (tal como os de Saturno), os anéis de Júpiter foram descobertos pela sonda Voyager em 1979. A imagem acima mostra os anéis de Júpiter, durante um eclipse do Sol observado pela sonda espacial Galileo, que orbitou o planeta entre 1995 e 2003 Júpiter possui dezenas de satélites, estando identificados mais de 60. Porém, os primeiros quatro foram descobertos no já remoto início do século XVII. Em 1610 Galileu Galilei começava a utilizar um recentíssimo instrumento para perscrutar os céus: o telescópio. A 13 de Janeiro (na sequência de observações iniciadas a 7 do mesmo mês), Galileu constata a existência de quatro "estrelas" nas vizinhanças de Júpiter. Estes novos objectos não eram visíveis a olho nú, e portanto eram desconhecidos até então. Galileu compreendeu que não se tratava de estrelas, mas que não eram mais do que satélites naturais do planeta Júpiter. Galileu publicou estes resultados, a par de outras observações astronómicas (da Lua e de várias estrelas), numa obra intitulada Sidereus Nuncius (Mensageiro Celeste). Estavam assim descobertas as quatro luas galileanas, que aqui se mostram numa composição fotográfica de imagens feitas pelo sonda espacial Galileo, em comparação com Júpiter, e cujos nomes são Io, Europa, Ganímedes e Callisto (na imagem, de cima para baixo).. Neste Ano Internacional da Astronomia, que tem como inspiração as observações de Galileu, aproveite para observar o planeta Júpiter num local perto de si. Visite a Agenda do AIA2009. NASA/JPL/DLR 14 de Agosto de 2009

Marte não parecerá ter o tamanho da Lua (Rosa Doran, 2009)

Marte visto pelo telescópio Hubble (NASA/ESA)
Marte não parecerá ter o tamanho da Lua Todos os anos, no dia 27 de Agosto inúmeros aspirantes a astrónomos muito desinformados esperam ver Marte nos céus com o tamanho da Lua. Um boato que surgiu em 2003 e promete acompanhar-nos por muito tempo. No dia 27 de Agosto de 2003 pudemos deleitar-nos com uma fabulosa sessão de observação de Marte com telescópios. O planeta encontrava-se próximo da oposição (denominação utilizada quando o planeta a Terra e o Sol se encontram alinhados) e a posição relativa das órbitas dos dois planetas (Terra e Marte) permitiu que a distância entre os dois fosse de cerca de 56 milhões de quilómetros. Tal aproximação só será superada em 28 de Agosto de 2287. Em 2003 pudemos observar - por um telescópio, é claro - a calote polar do planeta vermelho com perfeição e até mesmo alguns detalhes da superfície marciana como por exemplo as zonas mais rochosas e escuras. Para os amantes do céu, essas observações foram pura magia. A olho nu, o planeta era apenas um pontinho vermelho um pouquinho mais brilhante do que o habitual. O boato surgiu a partir de um email que informava que a partir de um telescópio com uma modesta ampliação seria possível ver Marte com o tamanho da Lua (comparando a imagem obtida no telescópio com a imagem da Lua a olho nu). Contrariando o ditado que diz que quem conta um conto aumenta um ponto, neste caso o que aconteceu foi justamente o contrário. Alguém achou mais divertido omitir a parte relativa ao telescópio e pronto, ai está a mensagem que provavelmente recebeu na sua caixinha de email: “Marte parecerá ter o tamanho da Lua”. Isso é algo completamente impossível. Basta fazermos algumas contas simples: Marte tem um diâmetro de cerca de 6,780 km, cerca do dobro do tamanho da Lua (3 475 km). Para ser possível observar o planeta com o mesmo tamanho que a Lua, a distância média entre a Terra e Marte teria de ser da ordem de 766 000 km, um valor consideravelmente inferior ao registado na oposição de 2003, 56 milhões de km. Desde essa época, a notícia volta a circular por email, blogues etc.. Pelos vistos, é daqueles boatos que vieram para ficar. É uma pena termos o mau hábito de gostar de notícias sensacionalistas: perdemos a possibilidade de ver a magia real onde ela realmente existe. Texto: Rosa Doran 27 de Agosto de 2009

O mais longo eclipse solar do século XXI, mergulhou parte da Ásia na escuridão

Eclipse total
Nesta imagem, divulgada pelo Observatório Nacional de Astronomia japonês, pode ver-se aquele que os cientistas dizem ser o eclipse total mais longo do séc. XXI. O Sol ficou totalmente encoberto pela Lua numa zona pouco habitada do Pacífico durante 6 minutos e 39 segundos, uma duração recorde que só virá a ser batida no ano de 2132.
EPA 22 Julho 2009

Roal Amundsen em 1925

Amundsen era um herói na Noruega e uma celebridade mundial. As várias tentativas de encontrar o avião em que seguia foram infrutíferas. N.A.M. Photo Archive

O Latham 47 da missão de salvamento a Nobile

O Latham 47 foi usado para tentar savar Nobile e os sobreviventes, presos no gelo. Mas dois dias depois da partida, deixou de haver sinal rádio do avião, que nunca foi encontrado. N.A.M. Photo Archive

Engenheiro aeronáutico Umberto Nobile

Nobile, engenheiro aeronáutico, acabou por tentar um segundo voo sobre o Pólo Norte, sem Amundsen, a bordo do Italia. Mas este despenhou-se sobre o gelo. A expedição de salvamento contou com a presença de Amundsen. Public domain NARA

Roal Amundsen, Umberto Nobile e o dirigível Norge (1926)

Em 1926, Amundsen e o italiano Umberto Nobile foram os primeiros a sobrevoar o Pólo Norte a bordo do dirigível Norge. Depois da viagem, a rivalidade entre os dois tornou-se pública. Ambos reclamavam a liderança da expedição. Public domain NARA

Explorador norueguês Roald Amundsen (1872-1928)

O explorador norueguês Roald Amundsen (1872-1928) foi um dos aventureiros mais célebres da sua época, e o primeiro a alcançar o Pólo Sul Public domain NARA

Mapa do Pólo Norte (1926)

Mapa do Pólo Norte, que Amundsen e Nobile sobrevoaram pela primeira vez em 1926 Public domain NARA

À procura de Roald Amundsen (expedição partiu a 24 de Agosto de 2009)

À procura de Amundsen Quando Roald Amundsen partiu a bordo do avião Latham 47, a 18 Junho de 1928, era uma das maiores lendas vivas do seu tempo, graças aos seus feitos nos gelos inóspito do Ártico e da Antártida. O voo no Latham 47 foi também a sua última viagem. O avião desapareceu, e nunca foi encontrado. Em 2009 partiu uma expedição em busca do último paradeiro do explorador, com o objectivo de saber quais as causas do acidente. Em 1903, Amundsen conseguiu atravessar a chamada passagem Noroeste, estabelecendo a ligação entre o Oceano Atlântico e o Pacífico acima do Círculo Polar Ártico, através de uma série de estreitos. Em Dezembro de 1911, foi o primeiro a atingir o Pólo Sul, numa corrida quase literal com o inglês Robert F. Scott. Amundsen conquistou desta forma reputaçao mundial, graças à sua persistência e resistência nestes ambientes remotos e hostis. Em 1926, Amundsen foi ainda um dos líderes do primeiro voo a sobrevoar o Pólo Norte, a bordo do dirigível Norge. O outro líder da expedição era Umberto Nobile - italiano, engenheiro aeronáutico - que tinha desenhado o Norge. Mas o feito dos dois homens ficou ensombrado pela rivalidade que se estabeleceu depois, com ambos a reclamarem os louros da expedição. Em 1928, Umberto Nobile voltou a tentar voar sobre o Pólo Norte - desta vez sem Amundsen, numa tentativa de afirmar o seu valor e o prestígio do seu país - a bordo de um dirigível adequadamente chamado Italia. Mas o Italia despenhou-se sobre o gelo. Apesar da anterior rivalidade, Amundsen juntou-se à missão de salvamento. A equipa embarcou no avião Latham 47, oferecido pelo governo francês para esta operação delicada. Os seis elementos da tripulação partiram a 18 de Junho da Noruega. As transmissões do avião não deram sinal de qualquer problema a bordo, mas o avião acabou por desaparecer - pensa-se que na zona de Bear Island, o local de onde foi enviado o último sinal rádio. Umbertto Nobile acabou por ser salvo, mas nunca se soube o que provocou o acidente com o Latham 47, apesar das buscas feitas nos anos que se seguiram, e que permitiram apenas encontrar um tanque de gasolina e um flutuador. Em 2008 foi anunciada uma expedição norueguesa com o objectivo de procurar os restos do avião em que Amundsen seguia quando desapareceu. Esta expedição partiu a 24 de Agosto de 2009. Os dois navios envolvidos vão estar no mar durante duas semanas. A estrela das buscas, no entanto, é um veículo submarino autónomo, o Hugin 1000, equipamento tecnológico de ponta que permite gerar mapas de alta resolução do leito marinho. Os progressos da busca podem ser acompanhados online no site Search For Amundsen. 26 de Agosto de 2009

Município de Maputo: David Simango analisa os 122 anos da cidade

Município de Maputo David Simango analisa os 122 anos da cidade Solo urbano continua o grande problema. Taxa de lixo poderá vir a ser agravada. Com falta de espaços para construção, edil admite que pequenas residências podem vir a dar lugar a mais habitação vertical O Edil diz que a cidade está em franco desenvolvimento, mas reconhece que ainda há muito trabalho por se fazer Maputo (Canalmoz) – A cidade capital do País, Maputo, vai parar no próximo dia 10 de Novembro para celebrar o seu 122.º aniversário, referente à sua elevação a esta categoria. O mesmo acontece numa altura em que o presidente da edilidade exalta o crescimento e realizações que, de há um tempo para cá, diz que a cidade conheceu. Falando ao Canalmoz, o edil da cidade, David Simango, disse que apesar de vários problemas que a Cidade apresenta, os mesmos constituem desafios para a edilidade, pois em geral os grandes problemas da cidade já foram atacados, pese embora não se poder dizer que estão totalmente resolvidos. David Simango referiu-se à introdução de um sistema de recolha de lixo sustentável, o que significa na sua óptica já não fazer por campanha, mas fazer-se de forma duradoira. “Não podemos dizer que já eliminamos, mas estamos numa situação melhor do que há algum tempo atrás. O desafio é aperfeiçoar o sistema de recolha dos resíduos sólidos e também do ponto de vista financeiro, que o sistema seja sustentável, o que vai exigir ainda mais a participação dos munícipes”. Significa isso que o Edil admite que as taxas de recolha do lixo possam vir a ser agravadas. Solo urbano continua o grande problema Dum modo geral, na cidade de Maputo já não há espaço para edificação de residências mas, segundo o presidente do município, este facto é devido ao tipo de habitações que a cidade apresenta, constituindo dessa forma um desafio para o Município a busca de novas soluções. “Ainda é possível gerir esta problemática, porque a nossa cidade é composta de dois mundos: na zona urbana temos edificações verticais e na suburbana temos edificações horizontais. No futuro o desafio é como estas edificações horizontais possam passar a verticais, prometeu. Referiu ainda que o município de Maputo está nesta altura a trabalhar não só nos bairros que ainda há espaço para explorar, como é o caso do bairro da Costa do Sol, na zona de fronteira com Marracuene, na zona da Catembe, mas também nos chamados bairros históricos da Cidade como é o caso de Polana Caniço, Maxaquene, Mafalala, Chamanculo e outros, para desenvolver planos de requalificação destas zonas, o que vai permitir que no futuro nestas zonas possam existir edificações verticais. Baixa da cidade continua a alagar Apesar das grandes obras que se realizaram na baixa da cidade de Maputo, concretamente de saneamento do meio e drenagem das águas fluviais, o sistema ainda continua muito deficiente. Quando chove a Baixa torna-se intransitável, principalmente na zona da Avenida 25 de Setembro. Sobre este aspecto David Simango disse que uma das causas, é a localização da cidade à beira do mar, e nesta situação é preciso ter um sistema de saneamento do meio bastante eficiente. “O que está acontecer é que a nossa capacidade de instalar o sistema de saneamento do meio é limitada, mas temos vindo a fazer alguma intervenção”. Entretanto, o edil anunciou que nos próximos tempos, o município vai iniciar os trabalhos de saneamento no bairro da Polana Caniço, com o financiamento do governo da Itália, no valor de 16 milhões de Euros, durante um período de cinco anos. “Vamos fazer outras intervenções nos outros bairros de forma gradual. As intervenções não serão somente nas infra-estruturas de estradas, mas também vão incluir o saneamento do meio”, acrescentou. Insatisfeito com o serviço da Polícia Municipal Num passado recente, o presidente do Município de Maputo insurgiu-se contra a actuação da Polícia Municipal, alegadamente por esta estar a prestar serviços deficientes. Questionado se a situação já está ou não ultrapassada, David Simango respondeu: “Ainda não estou satisfeito, depois do encontro que mantive com eles, criámos uma equipa que fez a avaliação de todos os agentes da polícia municipal. Agora está a ser elaborado o relatório respectivo, para identificar a capacidade de cada um dos agentes. Daí chegaremos à conclusão de que há necessidade de dispensar ou não alguns agentes, e enquadrá-los noutras áreas do município”. Referiu ainda que no âmbito da reforma no município a policia é uma das áreas prioritária como já se fez na área das finanças e recursos humanos e neste momentos já apresentam alguns resultados palpáveis. Cerca de 50 funcionários precisam de capacitação e alguns precisam de uma reorientação para outras áreas porque não estão a produzir o suficiente. (Egídio Plácido) 2009-08-27

Estados Unidos: Morreu Edward Kennedy, apoiante da Independência de Moçambique

Estados Unidos Morreu Edward Kennedy, apoiante da Independência de Moçambique Maputo (Canal de Moçambique) - O senador Edward Kennedy faleceu ontem na sua residência em Hyannis Port. Padecia de cancro cerebral, que havia sido diagnosticado há cerca de um ano. Edward Moore Kennedy nasceu em Boston, Massachuesetts, a 22 de Fevereiro de 1932. Era o mais novo dos nove filhos de Joseph Kennedy, um homem de negócios e ex-embaixador americano de origem irlandesa. Oriundo de uma família rica, Edward Kennedy formou-se em Direito pela Universidade Harvard, em 1956. Foi eleito para o Senado para preencher a vaga deixada pelo irmão, John Kennedy, após ter-se tornado presidente dos Estados Unidos em 1960. Nessa câmara do Congresso dos Estados Unidos, Edward Kennedy representou o Partido Democrata durante sete mandatos, distinguindo-se como defensor de direitos dos imigrantes, do controle de armas e da criação de um fundo médico para todos os cidadãos norte-americanos. No âmbito externo, condenou o regime de apartheid na África do Sul, a ditadura militar do general chileno Augusto Pinochet, as guerras do Vietname e do Iraque, além de ter participado nos esforços para se alcançar a paz na Irlanda do Norte. Em 2006, a revista Time referiu-se a Edward Kennedy como um dos dez melhores senadores americanos. Para muitos analistas, o legado de Edward Kennedy durante décadas de lutas legislativas foi mais profícuo que o deixado pelos irmãos, John Kennedy e Robert Kennedy, ambos assassinados em circunstâncias nunca inteiramente esclarecidas. Edward Kennedy provém de uma família profundamente católica que teve a particularidade de ter manifestado a sua solidariedade para com a causa da liberdade e democracia do povo moçambicano. Foi com o apoio da família Kennedy que o 1º Bispo Católico da Beira, D. Sebastião Soares de Resende, lançou o Diário de Moçambique, jornal que se notabilizou pela denúncia da exploração e violação dos direitos humanos no nosso país. Em Novembro de 1967, Edward Kennedy e o irmão, Robert, reuniam-se em Washington com uma outra destacada personalidade católica moçambicana, o Padre Gwengere, tendo discutido formas de defender o direito de Moçambique à independência. O projecto para um Moçambique independente e democrático contou com o apoio do Presidente Kennedy que por intermédio dos irmãos, Robert e Edward, defendeu a causa pela auto-determinação dos moçambicanos, e promoveu o seu direito à educação. (Redacção / Agências de notícias) 2009-08-27

26 de agosto de 2009

Miss Angola 2009 é Nelsa Suraia Pombal Alves

Miss Angola 2009 é Nelsa Suraia Pombal Alves "Trabalhar como Miss Angola foi um sonho que realizei. Cresci e conheci lugares que antes eram para mim imaginários."

25 de agosto de 2009

Estados Unidos: Financiador de Hillary Clinton e Barack Obama detido por fraude


Estados Unidos Financiador de Hillary Clinton e Obama detido por fraude Hassan Nemazee, um dos directores financeiros da campanha presidencial de Hillary Clinton em 2008, foi detido esta terça-feira num aeroporto de Nova Iorque, prestes a embarcar para Roma, acusado de tentar defraudar o Citibank em 51 milhões de euros Nemazee, um dos principais financiadores do Partido Democrata, preparava-se para embarcar num voo para a capital italiana quando foi detido em Newark. O democrata, que este ano contribuiu com 50 mil dólares para a cerimónia de tomada de posse de Barack Obama, é acusado de tentar defraudar o Citibank em 51 milhões de euros (74 milhões de dólares). O empresário terá pedido o empréstimo milionário indicando como garantia várias contas bancárias que não existiam. Os números de telefone indicados nos documentos, supostamente referentes aos gestores de conta, eram na verdade controlados por uma central telefónica de Nemazee. Segunda-feira, o amigo do casal Clinton devolveu os 51 milhões de euros ao Citibank, não evitando a detenção esta terça-feira, quando aparentemente tentava fugir do país. Filho de um magnata iraniano da indústria naval, Nemazee não é estranho a acusações do género. Em 1998, quando Bill Clinton nomeou-o embaixador norte-americano na Argentina, a imprensa revelou um historial de negócios pouco claros, processos judiciais e ligações a destacados democratas e clãs milionários como os Ciseneros, da Venezuela. Outro pormenor chamou a atenção à revista Forbes. Nemazee só era norte-americano há dois anos. Antes, detinha um passaporte venezuelano, apesar de se apresentar frequentemente como cidadão indiano ou iraniano. Perante as dúvidas lançadas pela imprensa, Nemazee nunca chegou a tomar posse como embaixador. Volta agora à ribalta, criando um novo embaraço aos Clinton e também à administração Obama. SOL com agências, 25 de Agosto de 2009

Caldo de Peixe (Cabo Verde)

Caldo de Peixe Ingredientes: 300 g de Atum 300 g de Dourada 200 g de Robalo 2 Cebolas médias 2 Dentes de Alho 120 dl de Azeite 100 g de Coentros ou Salsa 1 folha de Louro 4 Tomates Maduros Sal e Pimenta q.b. Farinha de Trigo q.b. ½ Kg de Mandioca ½ Kg de Inhame ½ kg de Inglesa ½ kg de Banana Verde 30 g Colorau Malagueta a gosto Preparação: Num tacho colocam-se os legumes previamente descascados e cortados. Por cima dos legumes colocam-se os peixes, previamente cortados em postas pequenas, à excepção do atum que se reserva. Por cima do peixe colocam-se já cortados o tomate, a cebola, o alho, coentro ou salsa. Rega-se com o azeite e tempera-se com sal, pimenta, colorau e malagueta a gosto. Vai a cozer durante 40 minutos. O atum deve ser colocado aos 20 minutos de cozedura. Para engrossar o caldo pode adicionar um pouco de farinha desfeita em água e mexe-se para não deixar pegar ao fundo. Serve numa terrina o caldo com os legumes e numa travessa o peixe.

Cabo Verde: Viajar em Santo Antão, de Cruzinha até Ponta do Sol a pé

Viajar em Santo Antão: de Cruzinha até Ponta do Sol a pé Santo Antão oferece inúmeras possibilidades de divertimento e lazer para quem visita a ilha mais a norte do arquipélago de Cabo Verde. Uma das rotas sugeridas é uma ida a pé desde Cruzinha da Garça até Ponta do Sol. Como chegar lá? Esta é uma viagem que terá de ser feita de manhã ou a tardinha, se bem que ao final do dia seja o melhor período. Também convém não faze-la quando chove. As chuvas provocam quedas de água que deixam as montanhas mais vulneráveis ao desabamento de pedras. Não se preocupe com alojamento e alimentação. Primeiro a viagem. De Porto Novo até Cruzinha ou Chã de Igreja, há transporte nas carrinhas Toyota Hiace ou de caixa aberta, todos os dias, quando os barcos que fazem a ligação entre São Vicente e Santo Antão chegam a Porto Novo. De lá até a Vila de Chã de Igreja ou Cruzinha são 500 escudos cabo-verdianos, cinco euros na moeda europeia, numa viagem que dura 60 a 80 minutos. Para quem planeia ir directamente de Porto Novo à Chá de Igreja ou Cruzinha, recomenda-se o almoço e umas horas de descanso em Chã de Igreja, na Casa da Ti Gusta, onde poderá dormir umas horas, depois de retemperar as forças a base de pratos tipicamente cabo-verdianos. Ou se preferir, pode ir até Cruzinha, saborear um bom peixe fresco ou marisco no Restaurante Sonafish, tomar um bom banho de mar, antes de prosseguir viagem. Pode experimentar as águas quentes e calmas da Cruzinha ou se preferir, as praias de Boca de Mocho ou Boca de Ribeirinha também são uma boa alternativa. Cuidado com a corrente. Não se aventure muito para lá da quebra das ondas. O mar é calmo mas há sempre armadilhas. Depois segue-se o passeio propriamente dito: sempre a pé, por caminhos sinuosos, feitos na rocha, num pequeno trilho de metro e meio a dois de largura, num subir e descer até a Vila da Ponta do Sol. De um lado o mar, do outro apenas montanhas. Se levar bicicleta, vai estar mais tempo com ela às costas que em cima dela. Carro não pisa esses terrenos. É uma viagem maravilhosa que merece ser feita a enquanto se vai regalando a vista com um pôr-do-sol magnífico, ouvindo o bater das ondas nas rochas, vendo os barcos a regressar da faina em direcção a Ponta do Sol. Da praia de Boca de Ribeirinha, segue-se a aldeia de Z´ Aranhas, hoje já sem habitantes, que emigraram ou foram para Ponta do Sol ou Ribeira Grande. Continuando a caminhada, chegará a aldeia de Corvo onde hoje vive pouco mais de meia dezena de pessoas. Segue-se Formiguinhas antes de Fontainhas, uma das zonas mais belas de Santo Antão, pela sua localização mas também pela sua paisagem. De Corvo até Fontaínhas há uma subida que é de tirar o fôlego: são curvas e mais curvas, sempre a subir, num percurso em Z, muito íngreme. Mas vale a pena. Depois é seguir até Ponta do Sol, escolher onde ficar, tomar um banho, jantar, e apreciar a noite. Ou se preferir, pode ir até Ribeira Grande. Não se esqueça de registar todos os momentos na sua máquina fotográfica para mais tarde partilhar com os amigos. Sapo CV, 25 de Agosto de 2009