31 de julho de 2009

Moçambique: MMAS e Mc Roger juntos pelas crianças

MMAS e Mc Roger juntos pelas crianças O Ministério da Mulher e da Acção Social (MMAS) e a MC Roger Iniciative acabam de rubricar um Memorando de Entendimento, que visa unir esforços com vista a garantir a divulgação dos direitos da criança, prevenção da violência contra a criança e a implementação de programas de incentivo à alfabetização e educação da mulher e da rapariga. À luz deste memorando, assinado Quinta-feira, em Maputo, o MMAS vai assistir a MC Roger Iniciative na aplicação de políticas do sector de Acção Social e das estratégias de protecção dos grupos populacionais mais vulneráveis. Como forma de garantir o sucesso dessa interacção entre as duas instituições, o MMAS vai orientar as direcções provinciais da mulher e acção social para os serviços distritais de saúde da mulher e acção social envolverem a MC Roger Iniciative no domínio da planificação, coordenação, monitoria e avaliação conjunta das actividades desenvolvidas. Por seu turno, a MC Roger Iniciative vai ceder os direitos de imagem para a participação em spots contra a violência doméstica, produzir e participar em spots contra o tráfico de seres humanos, especialmente mulheres e crianças, e mobilizar recursos para programas de interesse das duas instituições. A MC Roger Iniciative demonstrou o seu primeiro contributo na acção social, oferecendo cinco bicicletas, 50 carteiras e 10 carrinhas de roda. “A MC Roger Iniciative tem a honra de oferecer 10 cadeiras de rodas para que em nosso nome entregue às pessoas portadoras de deficiência e que transmita o nosso calor e principalmente uma mensagem de optimismo, 50 carteiras escolares e cinco bicicletas ”, disse o presidente da MC Roger Iniciative, Rogério Dinis. A Ministra da Mulher e Acção Social, Virgínia Matabel, afirmou que esta parceria sera bastante útil, pois 'se conseguirmos resolver os problemas dos mais carenciados estaremos a resolver os problemas do país'. O País, 31 de Julho de 2009

Nigéria: Líder dos taliban foi capturado e morto a tiro

Depois de ter provocado centenas de mortes Nigéria: Líder dos taliban foi capturado e morto a tiro Abuja - O líder do grupo islamita, Mohammed Yusuf, responsável pelos vários dias de violência que provocaram centenas de mortos no norte do país, foi morto a tiro enquanto se encontrava sob custódia policial, referem as autoridades. «[Mohammed Yusuf] está morto. Podem vir ver o seu corpo ao comando», confirmou o porta-voz dos serviços de polícia de Maiduguri, Isa Azare, na cidade onde o líder religioso radical fora capturado. Não foram avançadas quaisquer explicações para a morte do líder islâmico e a organização de defesa dos direitos humanos, Human Rights Watch, já qualificou a morte de Mohammed Yusuf um «homicídio extrajudicial chocante». Na noite da quarta-feira as forças de segurança nigerianas lançaram um ataque contra uma mesquita e contra a casa de Yusuf em Maiduguri, que funcionava como uma espécie de quartel-general do grupo. O líder islâmico, que defendia uma imposição radical da lei islâmica («sharia») no país, foi capturado numa aparatosa caça ao homem que envolveu helicópteros militares, soldados e polícias armados e foi levado para instalações improvisadas pelo exército nigeriano na cidade de Maiduguri. Yusuf Moahmmed terá sido posteriormente transferido para o quartel-general da polícia daquela mesma cidade, onde foi morto, segundo o correspondente da Reuters na Nigéria. Desde domingo, que os confrontos entre o grupo islâmico, com ligações aos taliban, Boko Haram, e as tropas governamentais já fizeram pelo menos 400 mortos, entre eles muitos civis, embora não existam números oficiais. Os taliban nigerianos surgiram na Nigéria em 2004 tendo estabelecido base na cidade de Kanamma, na província de Yobe (nordeste). Composto essencialmente por estudantes que abandonaram a escola, o grupo já lançou no passado ataques contra postos de polícia no país. Pretendem instaurar um «Estado islâmico puro» no norte da Nigéria, região do país onde a população é maioritariamente muçulmana. Jornal de São Tomé e Príncipe, 31 de Julho de 2009

Cabo Verde: Câmara Municipal de São Vicente assina Protocolo com Escola de Música de Linda-a-Velha (Portugal)

CMSV assina Protocolo com Escola de Música de Linda-a-Velha A Câmara Municipal de São Vicente (CMSV) assinou recentemente um protocolo de cooperação com a Escola de Música Nossa Senhora do Cabo, de Linda-a-Velha, Portugal. A autarquia mindelense divulgou na tarde de ontem, quinta-feira, que o acordo de parceria estabelecido visa a realização de projectos de intercâmbio comuns entre a Câmara Municipal de São Vicente e a Escola de Música Nossa Senhora do Cabo, "susceptíveis de incrementar os investimentos culturais de cada uma das partes, bem assim, a realização de projectos conjuntos para a eventual formação de quadros no ensino especializado da música e a partilha de informação entre as duas entidades, tendo em vista o desenvolvimento de actividades em novas áreas no âmbito da música". Assim, segundo a mesma fonte, a edilidade vai beneficiar do apoio da Escola de Música Nossa Senhora do Cabo no que respeita à disponibilização de professores para ministrar formação em São Vicente, a nível das classes de conjunto (coros, orquestra e conjuntos instrumentais de nível escolar), iniciação musical, formação musical em violino, guitarra, violoncelo e outros instrumentos. "Prevê-se, também, a deslocação de alunos bolseiros de São Vicente para a frequência de cursos especializados de música, de nível básico e/ou complementar, tecnológicos ou profissionais nas instalações da Escola de Música Nossa Senhora do Cabo" adianta o documento assinado. Ainda, a Câmara Municipal de São Vicente, poderá receber apoio na organização, constituição e gestão de orquestras de câmara e sinfónicas, profissionais e amadoras. O referido protocolo foi rubricado pela presidente da autarquia mindelense, Isaura Gomes e pelo vice-presidente da Escola Nossa Senhora do Cabo de Linda-a-Velha, Alexandre Anacleto., num acto ocorrido em Lisboa, no passado dia 13 deste mês. Mas, somente agora a Câmara Municipal de São Vicente deu a conhecer este acontecimento. Expresso das Ilhas, 31 de Julho de 2009

Adeus, Bobby Robson

Adeus, Bobby Robson Bobby Robson, um dos mais carismáticos nomes do futebol inglês e o homem que "apadrinhou" José Mourinho, morreu hoje aos 76 anos, depois de uma batalha contra um cancro nos pulmões. Robson, que representou a selecção inglesa nos Mundiais de 1958 e 1962, treinou em Portugal o Sporting e o FC Porto, clube onde venceu dois campeonatos nacionais e uma taça de Portugal. Foto@EPA/Toussaint Kluiters

Mulheres africanas analisam impacto da crise nas famílias

Mulheres africanas analisam impacto da crise nas famílias Luanda - O impacto da crise económica e financeira mundial na vida das famílias africanas é analisado hoje, sexta-feira, na capital angolana, numa conferência que reúne representantes do Níger, Nigéria, Angola, Moçambique, Burundi e da Namíbia, com o objectivo de reflectir sobre a influência dessa problemática no continente. A conferência, co-organizada pela Organização Panafricana das Mulheres (OPM), Organização da Mulher Angolana (OMA) e o Ministério da Família e Promoção da Mulher, propõe-se avaliar o grau de influência da crise mundial na vida das famílias em África, as estratégias para a sua redução e as formas de diversificar as acções para o combate à pobreza. A porta-voz da reunião, Adélia de Carvalho apontou como principais objectivos, estabelecer relações com as mulheres no mundo, visando promover o progresso, a paz, a justiça e assegurar a plena contribuição no desenvolvimento económico, social e cultural de África. Criar oportunidades iguais para a melhoria de condições de vida das mulheres é um dos objectivos da conferência, que se enquadra na jornada alusiva ao dia da mulher africana, aberta a 25 do corrente mês e termina hoje (31 de Julho). O Níger estará representado no encontro pela sua embaixadora junto da União Africana (UA), Diambala Naiomona, a Nigéria pela representante permanente na UA, Nikoio Toio, enquanto Moçambique se fará representar pela presidente da sua Associação de Mulheres Juristas, Osvalda Joana. A OPM foi fundada em 1962 em Dar-es-Salaam, na Tanzânia, tendo como co-fundadora a OMA, numa cerimónia em que participaram 14 países e oito movimentos de libertação nacional. Angola ocupa actualmente uma das vice-presidências para a África Austral da OPM, sob a direcção da deputada Carolina Cerqueira. O dia da mulher africana foi consagrado oficialmente em 1974 numa conferência de mulheres realizada em Dakar, no Senegal. Angola Press, 31 de Julho de 2009

30 de julho de 2009

São Tomé e Príncipe: Celebram-se os 34 anos da independência do arquipélago

Festividades percorreram as ilhas São Tomé e Príncipe: Celebram-se os 34 anos da independência do arquipélago São Tomé – Este ano a celebração do 34/o aniversário da independência de São Tomé e Príncipe foi diferente, a «Chama da Pátria» acendeu-se na região autónoma e percorreu todos os distritos do país, terminando na histórica Praça da Independência. Depois de os festejos percorrerem todas cidades de São Tomé e Príncipe, terminando no ano passado em Lobita, a comissão organizadora trouxe a acção central para a Praça da Independência, local onde se viu o hastear da bandeira santomense no acto da assinatura de independência do país, protagonizada pelo falecido presidente da Assembleia Nacional, Nuno Xavier e pelo Brigadeiro Português, Coutinho Mendonça. Foi também a primeira vez que o povo santomense conheceu o ex-Presidente do Gabão, Omar Bongo. A celebração deste ano teve o apoio da RTP em parceria com a Televisão Santomense, com transmissão para o mundo lusófono e diversas actividades culturais. «Temos que continuar a assegurar o casamento entre a juventude e a cultura, para vincular os valores da conquista da liberdade, da felicidade e da paz entre os santomenses», afirmou o líder da comissão, Jorge Bom Jesus. No passado dia 12 de Julho o Presidente da República, Fradique de Menezes, deixou uma mensagem de entendimento ao arquipélago. «Devemos tirar ilações dos 34 anos de independência, reconhecer que é um valor inestimável, que não se pode por em causa essa conquista. Esta é a mensagem que temos de passar à juventude. Não podemos trocar a Independência por nada, temos que continuar a trabalhar para não cairmos de novo nas trevas do colonialismo, neo-colonialismo ou outras formas de fascismo», defendeu Jorge Bom Jesus. O presidente da Comissão Nacional dos Festejos garantiu que a missão da organização das festas atribuída pelo Conselho de Ministros foi cumprida com rigor, transparência e muito dinamismo. Recorda-se que em 1975, a «Chama da Pátria» foi acesa pelo Tenente CoroneleRaul Bragança Neto, na presença do embaixador José Fret Lau Chong e Manuel Pinto da Costa era o primeiro Presidente da República, assumindo o cargo com apenas 33 anos. Jornal de São Tomé e Príncipe, 28 de Julho de 2009

A construção tradicional de uma piroga em São Tomé e Príncipe

EUA: Microsoft e Yahoo juntam-se para enfrentar o gigante Google

Parceria entre motor de buscas e publicidade online Microsoft e Yahoo juntam-se para enfrentar o gigante Google Washington - A Yahoo e a Microsoft assinaram uma parceria para tentar fazer frente à gigante Google unindo a tecnologia do motor de buscas com os recursos da publicidade online. O acordo, que surge 18 meses depois da tentativa falhada da Microsoft para comprar a Yahoo será válido por 10 anos, pelo qual o Yahoo passa a adoptar a tecnologia de buscas da Microsoft, chamada Bing, e seu sistema de vendas de anúncios online. A Microsoft fornece uma tecnologia de pesquisas que pretende ganhar quota de mercado e a Yahoo vai tirar partido da rede de anunciantes que tem vindo a explorar nos últimos tempos, com esta estratégia, pretendem tirar mercado do Google, que factura mais de 20 biliões de dólares por ano em publicidade na Web e tem 65 por cento do mercado de buscas nos EUA. O acordo ainda terá que ser aprovado pelas autoridades reguladoras para garantir que não prejudique a concorrência ou ameace a privacidade das pessoas que usam os motores de busca. Durante o processo de aprovação, o acordo também deve receber oposição do Google, que desistiu de uma parceria em publicidade de buscas com o Yahoo no ano passado, depois de ser pressionado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Jornal de São Tomé e Príncipe, 30 de Julho de 2009

Moçambique: LAM inicia em Outubro voos semanais entre Maputo e Luanda

Aviação Moçambique: LAM inicia em Outubro ligação Maputo-Luanda Maputo - A companhia Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) prevê iniciar em Outubro voos semanais entre Maputo e Luanda, no âmbito da expansão das carreiras da companhia moçambicana. A ligação Maputo-Luanda está prevista para Outubro mas, segundo o director comercial da LAM, Adérito Macaba, se a previsão falhar, será com certeza estabelecida em Abril de 2010, tendo em conta a calendarização da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA). A LAM está empenhada no reforço da frota e, já em Agosto, irá receber dois novos aviões fabricados pela Embraer. Outro objectivo da companhia é aumentar o número de voos nas carreiras tradicionais da companhia, esforço que se integra no plano estratégico da LAM, avaliado em cerca de 80 milhões de euros. Adérito Macaba afirmou que a colocação da Transportadora Aérea de Angola (TAAG) na lista negra da União Europeia (UE) contribuiu para o atraso no estabelecimento da rota Maputo-Luanda. Jornal de São Tomé e Príncipe, 30 de Julho de 2009

Guiné-Bissau: Kumba Yala assume derrota e Bacai Sanhá assume «vitória do povo»

Desfecho das eleições presidenciais Guiné-Bissau: Kumba Yala assume derrota e Bacai Sanhá assume «vitória do povo» Bissau - Kumba Iala, adversário do vencedor nas eleições presidenciais guineenses, Malam Bacai Sanhá, aceitou formalmente a decisão popular, depois de, na semana passada os dois candidatos se terem comprometido a respeitar os resultados. O candidato derrotado fica assim, tal como acordado, com o estatuto de um antigo chefe de Estado, com segurança pessoal, residência e meios de transporte. Quanto ao novo Presidente de República, Malam Bacai Sanhá, tem pela frente a tarefa de tirar o país na crise em que se encontra, quer a nível político quer de segurança. A reforma das Forças Armadas parece ser uma prioridade assim como o combate ao narcotráfico. «Esta é uma vitória do povo da Guiné-Bissau», disse o vencedor, que falou da sede do seu Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC, no poder), Bacai Sanahá, de 62 anos de idade, é natural de Cubisséco, sector de Empada, região de Quinara. Diplomado em Ciências Sociais e Políticas na ex-República Democrática Alemã, onde estudou com uma bolsa de estudos do seu partido, o PAIGC - onde é militante desde 1962 - Malam Bacai Sanhá acumulou ao longo do seu percurso político experiência na gestão da administração pública. Depois de ter terminado os estudos, Sanha assumiu as funções de Administrador da Região de Biombo, em 1975, foi governador da região de Bafata e Gabu e em 1986 entra para o Governo como Ministro da Província Leste. Nos anos de 1990 e 1991 passa a exercer a função de secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné-Bissau (UNTG) e ainda em 1992 já era Ministro da Informação e das Telecomunicações. Entre 1992 e 1994 assumiu a pasta da Reforma Administrativa Função Publica e Trabalho e, com a realização das principais eleições multipartidárias na Guiné-Bissau, em 1994, Malam Bacai Sanhá foi eleito Presidente da Assembleia Nacional Popular. Com o fim do conflito político-militar em 1999, Sanhá assume o cargo do Presidente da República Interino, até ao ano 2000. Malam Bacai Sanhá apresentou-se a dois pleitos eleitorais como candidato presidencial do PAIGC, em 2000 e 2005, tendo sido derrotado por Kumba Yala e João Bernardo «Nino» Vieira, respectivamente. Em 2009 é finalmente eleito pelo povo guineense, Presidente da República da Guiné-Bissau. Jornal de São Tomé e Príncipe, 30 de Julho de 2009

Antigo ex-vice presidente do Congo, Jean-Pierre Bemba tinha 1,7 milhões de euros em conta no BPN

Antigo ex-vice presidente do Congo Jean-Pierre Bemba tinha 1,7 milhões de euros em conta no BPN Praia - As autoridades cabo-verdianas estão a investigar, por suspeita de branqueamento de capitais, uma aplicação financeira de 1,7 milhões de euros realizada por Jean-Pierre Bemba numa dependência do Banco Português de Negócios (BPN) naquele país. A descoberta da aplicação financeira do político congolês no BPN foi efectuada durante uma operação de arresto dos bens de Bemba, decretada pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), noticia a edição de hoje do jornal «Público». Jean-Pierre Bemba, ex-vice-presidente da República Democrática do Congo, está actualmente detido à ordem do Tribunal Penal Internacional (TPI), acusado de ter cometido crimes contra a humanidade e cinco crimes de guerra. A localização dos 1,7 milhões de euros foi feita durante as diligências realizadas pelas autoridades portuguesas para confiscar bens de Jean-Pierre Bemba, a pedido do TPI, de forma a ressarcir as vítimas presumivelmente provocadas pelas suas tropas em 2002-2003, acusação negada pelo arguido. Para além da conta em Cabo Verde, as autoridades portuguesas localizaram mais outras duas contas no BPN, usadas por Jean-Pierre Bemba para pagamentos de despesas em Portugal e que eram abastecidas através de transferências provenientes da República Democrática do Congo. Jornal de São Tomé e Príncipe, 30 de Julho de 2009

São Tomé e Príncipe: Já foi assinado o acordo de paridade cambial com Portugal

São Tomé e Príncipe: Já foi assinado o acordo de paridade cambial com Portugal São Tomé - O Governo de São Tomé e príncipe assinou com Portugal esta terça-feira um acordo de Cooperação Económica, que permite «ancorar» a dobra, moeda santomense, ao euro. Ao mesmo tempo os dois países assinaram um acordo para uma linha de crédito direccionada aos investidores interessados no mercado santomense, informou a Ministra do Plano e Finanças santomense, Ângela Viegas. O acordo, que foi assinado pela Ministra do Plano e Finanças e pelo Ministro das Finanças e da Economia português, Teixeira dos Santos, entra em vigor em 2010 e pretende define um conjunto de metas para reforçar a estabilidade da política monetária santomense. Ângela Viegas, após a assinatura dos acordos deixou um aviso: «o ancorar da moeda ao euro não é uma varinha mágica para resolver todos os problemas da nossa economia, mas sim uma facilidade que o Governo pretende utilizar na criação de condições para o desenvolvimento de São Tomé e Príncipe. Trata-se de um acordo que será uma alavanca económica, que prova que estamos empenhados na expansão sustentada na nossa economia». Para o Ministro das Finanças e da Economia português, Teixeira dos Santos, este acordo com São Tomé e Príncipe está associado aos progressos registados na economia santomense. Portugal aposta assim no desenvolvimento do arquipélago santomense. «Este acordo é um compromisso que Portugal assume na estabilidade macroeconómica de São Tomé e Príncipe». A assinatura deste acordo abriu novas perspectivas para a economia de São Tomé e Príncipe, país que tem apostado em diversas frentes para tirar os santomenses da situação em que se encontram desde a assinatura do acordo com o Banco Mundial e com o Fundo Monetário Internacional, nos finais dos anos 80, quando um dólar valia 33 dobras passando logo para 70 dobras. Hoje em dia o valor do dólar é de 16 mil dobras. Recorde-se que Portugal tem neste momento em curso um projecto multissectorial, nas áreas da Educação, Saúde e outras áreas de acção social, assinado em Lisboa em 2008 pelo ex-ministro santomense de Plano e Finanças, Raul Cravid e Teixeira dos Santos, financiado até 2013 e orçado em 45 milhões de euros Jornal de São Tomé e Príncipe, 29 de Julho de 2009

Moçambique: Compêndio Leãozinho desde hoje no mercado

Compêndio Leãozinho desde hoje no mercado É lançado hoje em Maputo o compêndio Leãozinho, do Dicionário de Verbos de Língua Portuguesa. A obra, editada pela Alcance Editores, é um compêndio que comporta 48 páginas que abordam vários temas didácticos. A composição do corpo humano, o sistema digestivo e respiratório o sistema circulatório e urinário são algumas das abordagens importantes feitas no compêndio que ilustra os músculos e a pele. A obra retrata igualmente a saúde e a cadeia alimentar. Os animais, o ciclo da água e os seus vários estados, os continentes e oceanos são também mencionados no compêndio. Moçambique como país é ilustrado sob várias formas, suas províncias, capitais provinciais países com os quais faz fronteira. A moeda, a bandeira e hino nacional, assim como a política e presidentes de Moçambique também fazem parte da nova obra da Alcance Editores. Direccionado aos adolescentes e jovens, alunos e professores, o compêndio contém informação sobre diversas áreas desde a Geografia, Política, História, Cultura e outros aspectos muito importantes na formação do Homem. Ainda a nível do ensino, o compêndio aborda as línguas faladas no país, ilustra a tabuada e o abecedário. Maputo, Quinta-Feira, 30 de Julho de 2009:: Notícias

Moçambique: Bolas de preservativos alegram crianças mas preocupam adultos de Chimoio

Bolas de preservativos alegram crianças mas preocupam adultos de Chimoio Crianças de Chimoio, região central de Moçambique, estão a usar preservativos para fazer bolas de futebol, que conseguem junto de familiares ou em campanhas de combate à Sida, mas também não se importam que seja "matéria-prima" usada. Foto@ André Cauteira/Lusa

África do Sul: Greve dos trabalhadores municipais

África do Sul: Greve dos trabalhadores municipais Um trabalhador municipal em greve toca a corneta enquanto os pneus ardem, em Joanesburgo, no quarto dia da greve nacional da África do Sul. Os trabalhadores exigem um aumento dos salários no valor de 15 por cento. Foto EPA/JON HRUSA

Eleições: Nove candidaturas à presidência de Moçambique

Eleições: Nove candidaturas à presidência de Moçambique Um total de nove cidadãos moçambicanos submeteram, ao Conselho Constitucional (CC), as suas candidaturas para concorrer para as presidenciais de 28 de Outubro próximo em Moçambique. Depois das primeiras eleições presidenciais de Moçambique, realizadas em 1994, com 12 candidatos, o pleito de Outubro próximo será o mais concorrido da história do país. Hoje, mais três candidatos apresentaram as suas candidaturas ao CC. Trata-se de Leonardo Cumbe, do Partido Unido de Moçambique da Liberdade Democrática (PUMILD), José Ricardo Viana, da União dos Democratas de Moçambique (UDM) e Artur Ricardo Jaquene, da Coligação União Eleitoral, organização composta pelos Partidos Ecológico de Moçambique (PEMO) e da Unidade Nacional (PUN). Estes três candidatos juntam-se a outros seis, nomeadamente: Armando Guebuza, da Frelimo e actual presidente da República, Daviz Simango, do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) e actual edil da Beira, na província central de Sofala, Afonso Dhlakama, da Renamo, Yacub Sibindy, do Partido Independente de Moçambique (PIMO), Raul Domingos do Partido para Paz, Democracia e Desenvolvimento (PDD), e Khalid Sidat, da Aliança Independente de Moçambique (ALIMO). A AIM apurou que dez candidatos teriam manifestado interesse de concorrer para as presidenciais, sendo que um deles não compareceu ao CC para depositar os seus documentos. Trata-se Pedro Langa, do Partido União Progressista (PUP). José Ricardo Viana disse, a jornalistas, na ocasião, que não tem adversário neste processo, uma vez que o seu partido é inclusivo. “Não acho adversário nenhum porque o nosso partido não está contra nenhum partido, por isso somos uma união e, como tal, criamos capacidades para que todos os moçambicanos tenham voz e possam participar com dignidade para edificação da riqueza de Moçambique”, explicou. Viana, que iniciou a sua intervenção agradecendo a Frelimo e a Renamo pelo seu contributo para o desenvolvimento do país reiterou que, caso seja eleito Presidente de Moçambique, vai abolir a Constituição da República, fazendo com que o país deixe de ser laico e passe servir a Deus, assim como vai banir as escolas e clínicas privadas porque os seus quadros foram formados com impostos dos cidadãos. “Queremos agradecer o partido Frelimo por ter liberto o povo moçambicano do jugo colonial e a Renamo pela sua luta pela democracia porque o nosso surgimento é resultado do trabalho destes dois partidos” referiu Viana, cuja candidatura é sustentada por 12 mil assinaturas. Por sua vez, o candidato da UE, Artur Ricardo Jaquene, disse, na ocasião, que se candidata para dar a sua contribuição para o desenvolvimento do país. Jaquene, que conseguiu amealhar 14 mil assinaturas, sublinhou que caso seja eleito, vai priorizar a saúde, habitação para jovens entre outros aspectos, porque já os experimentou na pele os problemas que afectam a sociedade moçambicana. O processo de submissão de candidaturas encerrou hoje e o CC vai publicar, na quinta-feira, a lista dos candidatos que apresentaram as suas propostas na ordem alfabética, ao mesmo tempo que vai entregar uma cópia a Comissão Nacional de Eleições (CNE). Sapo MZ, 30 de Julho de 2009

"Na Esquina do Tempo - Crónicas de Diazá", o novo livro de Brito-Semedo

Memórias em forma de livro Estórias de vida, de gentes, de lugares. Memórias de outros tempos. Este é o mote de “Na Esquina do Tempo- Crónicas de Diazá”, de Brito-Semedo. Um livro autobiográfico, que nos transporta para o passado e adolescência do autor, numa viagem por dez crónicas que representam pequenos apontamentos da sua vivência em S. Vicente e na Praia. Mais do que as memórias, na primeira pessoa, “Crónicas de Diazá” é um retrato fiel de alguns acontecimentos e da sociedade daquele tempo. Um livro onde se cruzam amigos de infância, familiares, professores e tantas outras personagens reais. Pessoas que marcaram a vida de Brito-Semedo, tanto como alguns lugares, praças, ruas, habitações, pontos de encontro “do antigamente” descritos, ao pormenor, nesta obra. O livro tem ilustrações de Tchalé Figueira e será apresentado pela escritora Fátima Bettencourt, dia 3 de Agosto, pelas 18.15 na sala de conferências da Biblioteca Nacional. As vendas revertem, integralmente, a favor da Associação Cabo-verdiana de Luta Contra o Cancro. A Semana, 30 de Julho de 2009

29 de julho de 2009

Feijoada de Marisco (Portugal)

Feijoada de Marisco Ingredientes: 2 latas de feijão branco cozido 1 cebola grande 2 postas de peixe 10 camarões 250 g de amêijoa 1 molho de coentros 1/2 copo de vinho branco 1 cabeça de alhos 1/4 pacote de polpa de tomate Sal e malagueta Preparação: Comece por fazer um estufado com 1/4 da cebola picada, metade dos alhos, o vinho branco, metade dos coentros, o tomate, a malagueta e o peixe. Quando o peixe estiver cozido retire e deixe arrefecer (para depois tirar a pele e as espinhas). Nesta mistura onde cozeu o peixe coloque os camarões e deixe cozer. Se não tiver água suficiente acrescente um pouco de água quente. Deixe cozer durante 3 minutos e retire os camarões. Passe por água fria e descasque. Coloque o molho numa peneira para retirar peles, espinhas e outros resíduos. Refogue os alhos e a cebola em azeite, junte o feijão já cozido e o molho onde cozeu o peixe e o camarão. Deixe apurar um pouco e junte o peixe desfiado, o camarão e as ameijoas (ainda cruas). Deixe ferver e apague o lume quando as ameijoas estiverem abertas. Salpique com os restantes coentros e sirva.

Uma aventura de Carocha até à China

Uma aventura de Carocha até à China Este antigo (mas bem conservado) Carocha está a postos para o rali que vai ligar Erlangen (Alemanha) - China. Uma equipa de 15 pessoas vão partir em seis Carochas para uma viagem de 11.000 Km até Beijing. A data de chegada está prevista para daqui a um mês. Foto@EPA/Daniel Kermann

Cabo Verde: Vila Nova Sintra (Ilha Brava)

Cabo Verde: Chuva Braba, peça de teatro no Auditório Nacional

Azagaia: Combatentes da Fortuna

Combatentes da Fortuna “Esta vai para todos os dirigentes africanos Que prometeram-nos uma África melhor Mas deram-nos uma pior que a encomenda Cambada de filhos da mãe I Éramos escravos quando fizeram-nos sonhar com a liberdade Segregados quando fizeram-nos acreditar na igualdade Eles bombardearam discursos de unidade E libertaram-nos das grades da nossa passividade Nós, obedecemos àquelas ordens de combate Morremos p'ra nascermos homens livres de verdade Nós, combatemos o inimigo sem piedade A pão e água, na língua só o sabor da liberdade Operários, camponeses na trilha da revolução Eles eram os nossos deuses à quem fazíamos a adoração Donos dos nossos interesses, símbolos de idolatração Cristianismo bruxaria, socialismo religião Eles, discursaram contra ricos e burgueses, franceses, holandeses, portugueses e ingleses Eles, ensinaram-nos que o racismo tinha cor Que o diabo era branco e preta é a cor do senhor [Discurso de Samora Machel] Refrão: (2x) Vocês não são libertadores, são combatentes da fortuna E a liberdade existirá até onde for oportuna Capitalistas, socialistas ou então “comunas” Vocês não são nada disso, são combatentes da fortuna II Assassinaram desde Amílcar Cabral até Samora Os grandes lideres, mandaram-lhes para os manuais de história Prostituíram o socialismo e pariram por acidente Um falso capitalismo, filho bastardo do ocidente O ocidente pagava bem e eles foram sem “camisa” Pegaram o Vírus de Deficiência Orçamental Adquirida Esses revolucionários e recém-empresários Faliram bancos com empréstimos que nunca foram pagos Não se sabe que matou mais, se foi a guerra ou foi a fome Pela ganância que deixou milhões de africanos com fome Depois de venderem tudo, começaram a vender a fome E lucraram com imagens do povo a morrer à fome Eles, pegaram em armas e lutaram p´ra enriquecer Calaram as armas porque agora há um novo modo de o fazer Democracia, governantes no poder Eles são a única alternativa Tu és livre de escolher [Discurso de Samora Machel] Refrão (2x) III Neste combate vitalício nunca há desmobilizados Se não resulta com comícios, resulta com atentados Medias manipulados e civis sacrificados Resulta, nas eleições vemos os resultados E os combatentes da fortuna apenas mudaram de farda Ontem roubaram de balalaica, hoje é de fato e gravata Hoje é com a SADC A fingir que não vê Zimbabueanos condenados pelo direito de escolher Chibatados pelas costas como no tempo da escravatura Pelos mesmos africanos que os tiraram da escravatura Os falsos libertadores, combatentes da fortuna Corrompem a democracia e legitimam a ditadura Chiiii...cuidado que aqui também, há combatentes da fortuna Olhem bem para onde o nosso país ruma Quem não condena um ladrão manos, das duas uma Ou é ladrão, ou vai roubar na ocasião oportuna Refrão (2x) [Discurso de Samora Machel] (Azagaia)

28 de julho de 2009

S. Tomé e Príncipe: As Danças (os costumes, os rituais, os cantos, as saudações e as manifestações de cada dança)

Danças
Como no continente africano, a dança faz parte integrante da cultura são-tomense. Ao longo do ano, as danças animam as festas, os rituais e as manifestações. Os costumes, os cantos, as saudações marcam a originalidade de cada dança. A dança 'ussua' Teria nascido no início nos anos 1900, dança praticada pelos 'filhos da terra' de inspiração europeia: pas-des-lanciers, pas-de-quatre e minuete. A orquestra era composta a base de instrumentos europeus (acordeões) e africanos (tambores). É uma dança de salão das 'roças' que foi ensinada às crianças nas escolas até os anos 1960. No entanto, ela continua a ser dançada em diversas ocasiões para apresentações públicas. A dança 'socopé' O socopé é uma dança de origem africana: ritmo síncope, sensualidade, os textos criticam os acontecimentos nas comunidades. Etimologicamente, é uma dança que se dança 'só com os pés'. Trata-se de uma dança mundana nascida sem dúvida no Brasil no fim do século XVII e trazida a Portugal pela Corte que estava refugiada no Rio de Janeiro. Tivera sido introduzida em São Tomé no início do século XIX. Reúne todas as camadas sociais e todos os grupos étnicos. A orquestra é mais africana. A dança 'puita' A puita e a semba designam a mesma dança. A semba foi introduzida pelos Angolanos, ela deriva do caduque que era dançado em Luanda. A diferença é que o semba não venera os mortos como o caduque. Seu nome provem de um instrumento de música, uma flauta em bambú, denominada puita. Dança proibida na época colonial pelo seu carácter erótico, ela venera os defuntos. A tradição diz que no trigésimo dia depois da morte do defunto, uma festa seja organizada em sua honra pela sua saúde no outro mundo: come-se, bebe-se, dança-se. Ao amanhacer uma missa em honra do defunto põe fim à festa. 'Danço-Congo' É a dança mais popular e a mais africana. Ela é praticada pelos Angolares que ficaram muito tempo fechados às influências europeais. É uma dança violenta, muito ritmada que mobiliza todo o corpo. Foi também proibida na época colonial e pouco apreciada dos 'filhos da terra'. Encena, uns trinta dançarinos sob a orientação de um capitão acompanhado do 'logoso do anso molê' (anjo da guarda da roça que morre), de dois 'anso canta' (anjos cantores), de dois 'pé-pau' (dançarinos em andas), de quatro doidos, de um feticeiro, de um 'zugozugo' (ajudante feticeiro), de um 'djabo' (diabo), de quatro tocadores de tambor, o resto dança tocando canzas. Os trajos são muito coloridos, sarapintados, o feticeiro, seu ajudante e o diabo usam disfarces terrificantes, outros usam grandes chapéus. O tema do cenário é a herança de uma roça onde a estupidez e a fragilidade caracterizam os proprietários brancos das roças enquanto que a força, a bravura caracterisam os Angolores.

S. Tomé e Príncipe: Auto da Floripes é o 'Tchiloli' de Príncipe

Floripes
O Auto da Floripes é o 'Tchiloli' de Príncipe. É exclusivamente encenado uma só vez por ano, 10 de Agosto, dia do santo Lourenço. A festa dura um dia. O autor da peça é desconhecido e não se sabe como foi introduzida na ilha. A festa se passa da seguinte maneira: desde a madrugada do dia 10 de Agosto é dado uma alvorada nas ruas de Santo António pelo embaixador cristão e pelo embaixador mouro que reúne os actores ao som dos tambores e das cornetas. O embaixador cristão está a frente da igreja e o embaixador mouro está na outra extremidade da rua, do outro lado do rio. O encadeamento da história é construído em volta da guerra de Carlos Magno e dos seus doze pares contra o Almirante Balão e seus reis mouros. A guerra pode ser evitada se um dos grupos se converter à religião do outro. Cada grupo envia então, um embaixador para pedir ao outro que se converta a religião do grupo oposto. Três horas de combate opõem Olivério e Fierabras que é o filho de Balão. O amor de Floripes, filha de Balão, se converte ao cristianismo e salvará assim Guy de Borgonha, Olivério e os outros. A peça se desenrola em diferentes lugares da cidade. O papel de Floripes é desempenhado por uma jovem virgem de Príncipe que é escolhida entre as mais belas. Os outros papéis, como no Tchiloli, são hereditários. Não há nem orquestra nem danças. A festa acaba por volta das 20 horas. Como no Tchiloli os anacronismos fazem parte da peça: o guarda escruta com binóculos o céu, no caso do Almirante tentar um ataque aéreo. Os trajes são multicores e sarapintados.

São Tomé e Príncipe: História da peça de teatro "Tchiloli"

Tchiloli Desde o século XVI, uma peça de teatro, o Tchiloli, é encenada na ilha de São Tomé e Príncipe ritmando os tempos fortes do ano: as festas religiosas e as festas civis. A representação dura quase quatro horas. É uma obra atribuída ao poeta cego português Balthasar Dias: “A tragédia do marquês de Mântua e do Imperador Carlos Magno”. A peça foi introduzida em São Tomé e Príncipe no fim do século XVI pelos portugueses que vieram implantar a cultura de cana-de-açúcar. A história desenrola-se durante a época carolíngia e foi trazida sem dúvidas pelos trovadores de origem borgonhesa a partir do século XI em Portugal. O Tchiloli (nome crioulo da peça), mostra várias personagens históricas: Carlos Magno, seu filho Carloto, o Marquês de Mântua, Balduino, Reinaldo de Montalvão, Rolando. O encadeamento da história é construido em torno de um assassinato que dá lugar a uma longa apologia sobre a justiça. O assassinato acontece durante uma caçada, Marquês de Mântua descobre seu sobrinho Valdevinos, que agonisa. Valdevinos em agónia acusa o príncipe D.Carloto, seu melhor amigo, de o ter matado para lhe roubar a sua esposa, Sibila. Marquês de Mântua envia o duque de Amão e Beltrão a Corte de Carlos Magno para pedir justiça. É então organizado um processo na presença do defunto que é colocado entre as duas famílias. Uma carta encontrada, é levada por um jovem pagem, acabrunha Carloto. Apesar das súplicas da sua mulher, Carlos Magno condena à morte o seu filho na presença do ministrol da Justiça. D.Carloto recorre desta decisão com ajuda do seu advogado o conde Anderson mas em vão, Carlos Magno permanece inflexível. Desde o século XVI que os são-tomenses apropriaram-se desta peça incluindo os seus próprios textos e a sua cultura. Os textos são também improvisados de acordo com a actualidade local. Os fatos e os acessórios são frequentemente contemporâneos: telefone portátil que serve para chamar o advogado, um relógio é utilizado por Carlos Magno que consulta a hora, óculos de sol em plástico são utilizados pelos actores que utilizam também pastas, máquinas de escrever. A peça põe em cena um processo onde a justiça é feita, quer seja o acusado rico, quer seja o acusado pobre. A presença ainda muito importante desta peça após estes séculos passados pode ser explicada por dois factos essenciais. O primeiro é a visão do poder português em Carlos Magno e um público que se reconhece na pessoa de marquês de Mântua que é injustamente oprimido mas que resiste. O segundo é a representação da vítima que é omnipresente durante a peça que representa o culto dos Africanos para as mortes com a preocupação de honrá-los. As companhias teatrais, denominadas “Tragédia”, que dão as representações de Tchiloli, são constituídas por cerca de trinta pessoas: todos homens que desempenham então os papéis das mulheres. Os papéis são hereditários, cada um dos actores possui o seu papel durante toda a vida e transmite-o aos seus filhos ou afilhados.

Cabo Verde: Gilyto em Portugal para apresentar o seu novo álbum Stribilin!

27 de julho de 2009

Maputo: Paróquia de Santa Ana da Munhuana completou cem anos

Paróquia de Santa Ana da Munhuana completou cem anos A paróquia de Santa Ana da Munhuana, da Igreja Católica, na cidade de Maputo, celebra cem anos de sua criação. Centenas de crentes desta paróquia juntaram-se, domingo, para comemorar a efeméride.
A missão da Santa Ana foi fundada a dois de Janeiro de 1902. A história refere que um grupo de goeses vindo da província de Santa Ana de Goa, na Índia, formou um pequeno núcleo dos primeiros habitantes de Munhuana. Desde a sua fundação, a Paróquia tem desenvolvido diversas actividades em prol da vida religiosa e social contribuindo para a evangelização e para a formação humana dos cidadãos. A celebração Eucarística foi presidida pelo arcebispo de Maputo Dom Francisco Chimoio. Actualmente, a paróquia de Santa Ana da Munhuana tem uma Escola Comunitária que conta com mais de mil alunos da oitava à décima classes. A paróquia presta assistência a um centro de idosos. TVM, 27 de Julho de 2009

CPLP institui 5 de Maio como Dia da Língua Portuguesa

CPLP institui 5 de Maio como dia do português O Conselho de Ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) aprovou a institucionalização do 5 de Maio como “Dia da Língua Portuguesa”. A decisão nesse sentido foi tomada no encerramento da 14ª Reunião do Conselho de Ministros da CPLP, realizada esta semana na Cidade da Praia, capital cabo-verdiana. Os ministros da CPLP decidiram igualmente criar um grupo de trabalho para reestruturar o Instituto Internacional de Língua Portuguesa (IILP). A reestruturação do Instituto Internacional de Língua Portuguesa, tema discutido pelos ministros dos Negócios Estrangeiros de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste deverá acontecer antes da cimeira da CPLP que se realiza no próximo ano, em Angola. O Ministro dos Negócios Estrangeiros português, Luís Amado, acredita que com a reunião da Cidade da Praia foi dado um novo impulso para a consolidação do português como língua das organizações internacionais. Citado pela BBC, Domingos Simões Pereira, Secretário-Executivo da CPLP, sublinhou que “decidimos propor a realização no próximo ano, no Brasil, de uma grande conferência internacional e de uma reunião ministerial extraordinária”. “Pretendemos aprovar um conjunto de orientações estratégicas para o ensino da língua em todos os países e em todo o espaço da CPLP”, disse Domingos Pereira. “Desejamos igualmente promover a consolidação do português como língua das organizações internacionais e a implementação do acordo ortográfico”, adiantou. Para o ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros, José Brito, um dos grandes temas em debate na reunião do Conselho de Ministros da CPLP foi a situação na Guiné-Bissau, particularmente o processo de reforma do sector de defesa e segurança. “Renovamos a nossa solidariedade com o povo da Guiné-Bissau. Decidimos continuar o nosso apoio como a reforma do sector da segurança, que aqui discutimos”, disse. "Tomamos nota do convite feito pelo Presidente da Nigéria, que preside à CEDEAO (Comunidade Económica da Africa Ocidental), para a realização de uma conferência logo depois das eleições na Guiné-Bissau, para estudar os elementos necessários à concretização do plano aprovado na Cidade da Praia”. Segundo o Secretário-Executivo da organização, Domingos Simões Pereira, a CPLP decidiu, igualmente, abrir uma representação em Díli, para apoiar a implementação do Plano Estratégico de Cooperação para Timor-Leste. “Já estamos a trabalhar com as autoridades de Timor-Leste para implementar as duas decisões de um plano estratégico para o país e a abertura de uma representação permanente em Díli”. O Conselho de Ministros da CPLP aprovou o orçamento do Secretariado Executivo para 2009 que ascende a 1,6 milhãode euros. Maputo, Segunda-Feira, 27 de Julho de 2009:: Notícias

Cabo Verde: Campanha de limpeza no lazaret

São Vicente Campanha de limpeza no lazaret, São Vicente (Cabo-Verde). Foto@ Comunidade SAPO CV

Contos de fadas adulterados

Contos de fadas adulterados Ainda que não se assemelhem muito à imagem eterna que todos temos de cada uma destas personagens, estas duas americanas estão vestidas de Branca de Neve e Sininho. Na San Diego Comic-con, o maior festival de banda desenhada do mundo que hoje termina, é frequente os fãs aparecerem mascarados. Foto@EPA/Sean Masterson

Moçambique: Bola de preservativos alegram crianças

Bola de preservativos Em Moçambique bolas como esta, feitas de preservativos, alegram as crianças mas preocupam adultos de Chimoio. Os mais novos estão a fazer estas bolas a partir de preservativos que conseguem em campanhas de luta contra a SIDA ou junto de familiares, mesmo que já tenham sido usados. Foto@EPA/André Catueira

24 de julho de 2009

23 de julho de 2009

Mia Couto: Entrevista (23 de Julho de 2009)

Mia Couto: "Eu na escrita não sei, eu quero não saber"


Mia Couto: "Eu na escrita não sei, eu quero não saber" "Jesusalém", o novo romance do escritor moçambicano, é lançado hoje em Lisboa. Mia Couto falou-nos desta obra, da sua escrita, de Moçambique, da lusofonia, do (des)encantamento do mundo - e muito, muito, de poesia. Diz que na escrita não sabe, e quer não saber - que ama essa ignorância. Essa a premissa com que parte para cada novo livro, para não se prender nem a um formato, nem à imagem que o mundo começava a colar-lhe à pele: a de inventor de palavras. Em Jesusalém há menos palavras inventadas, mas há um país inventado segundo a vontade de um homem - Silvestre Vitalício, o pai de família que decide fundar a sua própria nação, Jesusalém, para se fechar ao mundo.
São vozes femininas as que Mia Couto convocou como fundo deste romance. É uma história povoada por homens, mas onde a ausência de uma mulher, Dordalma, é a figura omnipresente. Sophia de Mello Breyner, Hilda Hist, Alejandra Pizarnik e Adélia Prado - o escritor diz que as escolheu para abrir cada capítulo, mas que foram também elas quem o escolheu. Sapo MZ, 23 de Julho de 2009

Estados Unidos da América: Um passeio pela cidade

Um passeio pela cidade Esta mãe resolveu dar um passeio com os seus sete filhotes perto da Casa Branca, em Washington. Uma imagem única captada em plena capital dos Estados Unidos da América. Foto@EPA/Matthew Cavanaugh

Mia Couto lê um excerto do seu novo livro "Jerusalém"

África do Sul: Província de Mpumalanga regista ataques xenófobos



África do Sul: Mpumalanga regista ataques xenófobos As autoridades sul-africanas encontram-se em estado de alerta, na sequência de ataques contra estabelecimentos comerciais de estrangeiros registados hoje e terça-feira em Balfour, província de Mpumalanga (leste). Os ataques, que visaram pequenas lojas de comerciantes etíopes, paquistaneses e chineses e resultaram na fuga de uma centena de estrangeiros. O Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, já condenou os ataques, mas a situação continua tensa em várias zonas. Mpumalanga situa-se a norte da província do KwaZulu-Natal e junto à fronteira da Suazilândia e de Moçambique. Ao princípio do dia de hoje, vários grupos de vigilantes, que se afirmam descontentes pelo não cumprimento de promessas eleitorais por parte do partido no poder (Congresso Nacional Africano, ANC) continuavam a patrulhar Balfour e a localidade vizinha de Syathemba, enquanto um grupo de vereadores da província se reunia de emergência para fazer o ponto da situação e estudar formas de normalizar as áreas afectadas. Residentes de Balfour e Syathemba assumiram publicamente que promoveram ataques contra estrangeiros, destruindo e saqueando muitos dos seus estabelecimentos, mas afirmaram que as suas acções se devem às péssimas condições de vida e à pressão dos estrangeiros sobre o mercado de trabalho. “Somos africanos. Eles (as autoridades) deveriam forçar os estrangeiros a deixar o país. Estamos zangados porque o presidente da câmara não nos escuta”, disse Velaphi Radebe, um residente de um bairro degradado de Balfour a uma estação de rádio local. Um outro residente, que esteve alegadamente envolvido nos ataques contra cidadãos estrangeiros, disse à mesma estação que “as lojas dos estrangeiros foram incendiadas para chamar a atenção das autoridades”. Em várias outras zonas do país, em particular na província de Gauteng, vários protestos populares violentos contra a inércia das autoridades locais no combate à pobreza têm-se verificado nos últimos dias. Em Thokoza, a cerca de 30 quilómetros de Joanesburgo, centenas de residentes das delapidadas estalagens para trabalhadores migrantes, que existem desde os tempos do “apartheid” e que albergam tradicionalmente mineiros de outras províncias, queimaram pneus e construíram barricadas em estradas de acesso à localidade nos últimos dois dias, forçando à intervenção de unidades antimotins. Nas imediações de Meyerton, no sul da cidade, onde residentes de bairros degradados da área bloquearam terça-feira e hoje a estrada R59 e alvejaram viaturas com pedras e outros projécteis, a situação é ainda tensa. Mais de três dezenas de efectivos policiais estão ainda na zona, mantendo os manifestantes a uma distância prudente da R59. Grupos de residentes insatisfeitos com as condições de vida nos seus bairros - muitos sem electricidade, nem água canalizada - continuem a ameaçar novos ataques contra os motoristas e bloqueio daquela importante via. O presidente da Comissão Sul-Africana dos Direitos Humanos, Jody Kollapen, alertou para a possibilidade dos novos ataques xenófobos poderem agravar-se, como sucedeu no ano passado, quando por razões aparentemente idênticas, mais de 60 pessoas foram mortas por grupos de vigilantes que lançaram ataques contra moçambicanos, congoleses, malauianos e imigrantes de outras nacionalidades nos arredores de Joanesburgo. “É minha forte convicção que a violência é o resultado de males sócio-económicos e da percepção entre muitos sul-africanos de que estão a ser marginalizados. Eles olham para os cidadãos estrangeiros como concorrentes desleais”, disse Kolllapen. Lusa, 22 de Julho de 2009

22 de julho de 2009

Lisboa: Feira Tradicional Africana de 24-26 de Julho de 2009

Angola em destaque na televisão sul-africana


Angola em destaque na televisão sul-africana O crescimento da economia angolana foi ontem destaque na CNBC/África, o canal televisivo vocacionado para informação económica africana, com sede na África do Sul. No seu programa matinal, Punch Line, que acompanha a evolução diária dos negócios e dos principais mercados do mundo, o CNBC/Africa emitiu uma entrevista de 12 minutos, com Abdullah Verachia, especialista da Frontier Advisory, reconhecida empresa de pesquisa e consultoria, que apoia companhias de todo o mundo a encontrar os melhores mercados. Abdullah Verachia falou dos progressos alcançados por Angola, desde que alcançou a paz e elogiou a atitude do Presidente sul-africano, Jacob Zuma, em escolher Angola como o primeiro país a visitar, após a sua eleição, em Abril deste ano. Abdullah Verachia disse que a economia angolana foi das que menos sofreu com o impacto da crise financeira e económica mundial e continua a crescer de forma sustentada, sendo uma boa alternativa de investimento para as empresas sul-africanas que procuram inverter os resultados negativos. A ministra dos Negócios Estrangeiros da África do Sul, Maite Nkoana-Maschabane, confirmou que a visita de Zuma vai realizar-se “antes do Natal” e que visa o aprofundamento da cooperação económica, técnica, científica e cultural. “Em Angola há enormes oportunidades nas áreas de infra-estruturas, agricultura, pecuária, agro-indústria, refinarias e outros sectores em que os sul-africanos podem apostar”, disse o especialista, alertando que “muitos países vão procurar Angola para investir e os sul-africanos devem aproveitar e ser os primeiros”. Dados do Ministério do Comércio da África do Sul indicam que 50 empresas trabalham em Angola. Para aumentar o comércio, na delegação presidencial constam empresários e ministros ligados à área económica. Verachia acredita que o número de companhias em Angola vai aumentar, porque “o Governo sul-africano já anunciou que vai incentivar as empresas a virarem-se para Angola”. Quanto ao quadro legal para investimento, Abdullah Verachia sublinhou que “Angola está a dar passos importantes” e que “o quadro actual não inibe o investimento, porque há muito mais oportunidades”. Verachia aponta outra vantagem da economia angolana: é das que cresce mais rápido no mundo. No seu relatório deste ano, o Centro de Estudos e Investigação Científica da Universidade Católica de Angola comparou entre Angola e a principal economia do continente, a África do Sul, e conclui que a diferença entre a riqueza produzida nos dois países reduziu desde 2000. Em sete anos, a proporção passou de 11/1 para 6/1. Se em 2000 o PIB angolano equivalia a nove por cento do sul-africano, em 2007, Angola subiu para 16,7 por cento. A economia angolana deve crescer este ano 6,2 por cento, antes de regressar, em 2010, aos dois dígitos que foi a média dos últimos sete anos. Angola foi também a economia que maior taxa de crescimento de longo prazo teve em África, entre 1989 e 2007, e foi a mais dinâmica nesse período, com uma taxa média de 9,6 por cento contra uma média de 4,0 por cento verificado nas maiores economias do continente. Cândido Bessa Jornal de Angola, 22 de Julho de 2009

Maior eclipse do século

Maior eclipse do século A Lua passou na frente do Sol e impediu a passagem da luz durante mais de seis minutos, num fenómeno espectacular visível em grande parte do continente asiático. Este terá sido o maior eclipse total do Sol deste século, com um recorde de duração que só será quebrado em 2132. Foto@EPA/Everett Kennedy Brown

França: A primeira corrida automóvel do mundo, Paris-Rouen de 1894

Michaud (nome desconhecido) num Peugeot, na corrida Paris-Rouen de 1894 (9º lugar) A primeira corrida automóvel do mundo Os alemães criaram os primeiros automóveis modernos, mas foram os franceses quem começou a usá-los como diversão. A 22 de Julho de 1894 teve lugar a primeira corrida automóvel da história, organizada pelo jornal parisiense Le Petit Journal. O percurso ia de Paris a Rouen, uma distância de 128 km. O vencedor, Jules Albert de Dion, conduzia um "de Dion-Bouton", mas acabou por não receber o prémio porque o veículo funcionava a vapor, pelo que os juízes consideraram que não cumpria os requisitos. Jules Albert de Dion, de uma família aristocrática e abastada, era um entusiasta da mecânica, paixão que o levou a financiar o projecto de construção de um carro com motor a vapor. Mais tarde, fundou uma fábrica automóvel com a marca de Dion-Bouton, que durante algum tempo teve bastante sucesso. Foi, ainda, o fundador do Automobile Club de France. Quanto à corrida, se já na altura o entusiasmo do público tornou populares estas corridas, um outro factor foi decisivo para a sua continuação: o apoio dos fabricantes, que ali viam uma forma de dar a conhecer os seus produtos. Sapo PT, 22 de Julho de 2009